Antes de discutir a guarda partilhada, discutamos a compensação do trabalho doméstico não remunerado

0

Vêm aí discussões sobre alteração ao regime de guarda dos filhos em caso de divórcio dos pais, pretendendo o PS e o PAN alterar para a guarda partilhada como regime preferencial e definido por defeito. Ora parece-me que há outras questões que têm de começar a ser introduzidas na lei para que sejam contempladas em caso de divórcio: uma delas é o trabalho doméstico não pago, que geralmente fica a cargo das mulheres e que beneficia toda a família, incluindo o marido prestes a tornar-se ex-marido.

Quando um casal se casa, mesmo sabendo da alta taxa de divórcios em Portugal, geralmente casa pensando que é para a vida toda, até que a morte os separe e outras ideias lindas. E faz planos e toma decisões com essa perspetiva. Compra-se casa, carro, partilham-se finanças, interligam-se as vidas. E, quase sempre, a mulher farta-se de trabalhar de forma não remunerada para a família – quer tenha emprego a tempo inteiro, quer não. Segundo o estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos, As Mulheres em Portugal, Hoje, a percentagem de tarefas domésticas a cargo das mulheres (quando têm trabalho fora de casa a tempo inteiro) é 72%. A percentagem de tarefas de cuidado com os filhos realizadas por essas mesmas mulheres é 69%. Para os homens, respetivamente, é 24% e 26%. A isto acresce o trabalho emocional (a organização dos aniversários familiares, a gestão de todas as tarefas, mesmo as realizadas pelos homens, os presentes e as decorações de Natal, as reuniões de pais na escola, um muito largo etc.)

Seja a iniciativa de divórcio de quem seja, há que acertar as contas ao património do casal e alinhavar a divisão de realidades imateriais ainda mais importantes: os filhos, pensão de alimentos, até animais de estimação. E penso que está na altura de se contemplar o trabalho não remunerado, sobretudo quando a sua divisão não é igualitária. Uma mulher que efetivamente trabalha em benefício de outra pessoa (o seu marido), providenciando um ambiente doméstico que lhe permita quer o necessário lazer quer a dedicação ao trabalho, prescindindo de tempo de descanso (que ele, por oposição, usufrui), investindo em espécie nos filhos do casal, provavelmente tendo custos profissionais com a maternidade (pelo custo de salário que cada filho traz a uma mulher, conhecida como maternity gap, e por possivelmente faltar mais devido às doenças, às idas às escolas e, até, por prescindir de carreiras mais ambiciosas por falta de suporte familiar – é efeito conhecido que as mulheres com carreiras absorventes têm de acumular capacidade de pagar ajuda doméstica com uma sólida rede familiar que apoie) – fá-lo numa perspetiva de longo prazo que justifique o sacrifício. E, como refere o estudo acima linkado, as divisões atuais do trabalho doméstico e de cuidado com os filhos são fonte de grande desagrado das mulheres. Na verdade, uma desigual divisão das tarefas domésticas é um bom indicador da possibilidade de divórcio.

(Por que carga de água continuam a passar a ferro as camisas de um marido que pouco faz em casa e com os filhos, já é uma realidade incompreensível para mim, mas, enfim, presumo que sintam que é um mal menor.)

Ora neste contexto – de trabalho doméstico e de cuidado com os filhos em cima de apenas um dos membros do casal, sem que este membro, o que tem cromossomas xx invariavelmente, o faça porque tem de ser e não por tremenda felicidade em ser a criada gratuita do marido – faz todo o sentido este trabalho ser recompensado em caso de divórcio. Pelo que é conveniente começarmos a reivindicar uma lei de divórcio onde os maridos indolentes compensem monetariamente as mulheres pelo trabalho não pago de que usufruíram enquanto casados.

É uma questão de elementar justiça e de reconhecimento que uma mulher tem igual direito ao descanso que um homem, a aspirar a ter um trabalho que a satisfaça, e a não ser tratada pela lei e pela família como um ser de segunda desqualificado que só ganha relevância se trabalhar gratuitamente em prol de outro adulto.

Artigo anteriorO que nos move?
Próximo artigoOs companheiros ocultos do amor
Maria João Marques
Mãe de dois rapazes e feminista (das duas características conclui o leitor inteligente que não quer exterminar os homens da face da Terra). Licenciou-se em Economia ao engano, é empresária, mas depois encarreirou para os Estudos Orientais, com pendor para a China. Foi blogger e é cronista do Observador. Considera Lisboa (onde nasceu e vive) a cidade mais bonita do mundo, mas alimenta devaneios com Londres e Hong Kong.

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.