O que nos move?

0

As emoções fazem parte do nosso sistema de auto-regulação. Elas dão-nos sinal das coisas que nos fazem bem ou mal e também nos põem em movimento para procurar conforto e bem estar: e-moção, em-movimento. Se nos desligamos da emoção, é muito díficil saber onde estão os nossos limites e o que nos faz bem ou mal.

Quando tocamos numa coisa demasiado quente dói, por isso sabemos que devemos evitar. Por outro lado uma temperatura amena faz-nos sentir bem e relaxar. Emocionalmente passa-se a mesma coisa. A dor ou conforto dão-nos mensagens que nos permitem saber o que procurar e o que evitar.

Muitas pessoas não sabem o que sentem. Inúmeras vezes pergunto aos meus clientes o que sentem, e ouço respostas que começam por “eu acho que”. Quando reforço que não quero saber o que acha, mas sim o que sente, aparece perplexidade. É mais fácil saber o que pensamos do que o que sentimos.

É fácil de perceber porquê: é possível “domesticar” os pensamentos, mas não as emoções.

As emoções “emergem”. Podemos vivê-las ou escondê-las, mas não podemos evitá-las. Muitas vezes as nossas emoções não são convenientes. Sentimos coisas que nos foram ditas que “não devíamos sentir”. Elas não se compadecem com convenções sociais. Não há como forçar-se a gostar ou não gostar de alguém, e também não podemos forçar-nos a estar alegres ou tristes.

Algumas emoções são dolorosas e habitua-mo-nos a considerar que a dor é sempre má, e fazemos de tudo para a evitar. No entanto, se pensarmos melhor, podemos distinguir entre pelo menos dois tipos de dor. A dor que magoa e a dor que cura. Uma dor que magoa pode ser a dor de dar um pontapé numa pedra ou martelar um dedo, ninguém duvida que queremos evitá-la… O melhor exemplo de uma dor que cura é a dor que sentimos quando nos massajam um músculo dolorido, é dor, mas é também alívio e descarga. O mesmo se aplica às emoções.

Para evitar sentir dor é preciso anestesiar-se, como qualquer anestesia, a emocional não é selectiva. Anestesiar a dor tem como efeito secundário a anestesia do prazer, e a anestesia da tristeza tem como contrapartida a da alegria.

A vida fica em lume brando. Se durar demasiado tempo chamamos-lhe depressão.

Quando as impedimos de fluir, ficam presas em círculos dentro de nós. E movem-nos de formas inconscientes que depois racionalizamos muito comportadamente.

Quando nos permitimos vivê-las, as emoções são como uma onda, sobem de intensidade e acabam por gradualmente diminuir e dar lugar a outras.

Uma das formas de as libertar é gratuita e muito simples: respirar.

Pode experimentar agora mesmo um suspiro ou dois e ver o que acontece…

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.