11.2 C
Lisboa
Terça-feira, Dezembro 6, 2022

[vc_row content_align_vertical=”content-vert-top”][vc_column width=”2/3″]

ÚLTIMAS

As mulheres que trucidaram Amber Heard

Sobre o mais recente, a nível mundial, sururu hollywoodesco, o reality show de Johnny Depp (JD) contra Amber Heard (AH), algumas...

Arma de guerra: violar

POLÍTICA

DEBATES

ARTES E CULTURA

SIN VINO NO HAY CAMINO!

SIN VINO NO HAY CAMINO!

SIN VINO NO HAY CAMINO!

SIN VINO NO HAY CAMINO!

QUOTIDIANO

[/vc_column][vc_column width=”1/3″]
Psicóloga desativada com uma costela, no feitio, de Brites de Almeida em que tal como ela é mais a fama do que o proveito. Entre 1960, em Trás-os-Montes onde fui parida e o Porto onde fui feita segundo rezava o meu pai quando farto das minhas impertinências desabafava "por que não fui à pesca nesse dia?" e hoje, Coimbra, do meu mundo fazem parte 5 rios, o primeiro dos quais no alto alentejo raiano e 12 localidades por chão onde muitas vezes me descalcei para ser alimentada. Não sei quem escreveu mas um dia li e tomei como minha "se vos contasse tudo o que penso e vejo seria internada" Saltimbanca me sinto desenguiçando o emaranhado das ideias, qual marioneta, no caos do mundo em que me sento a atuar no pequeno palco comandada por forças que não controlo.
Mãe de dois rapazes e feminista (das duas características conclui o leitor inteligente que não quer exterminar os homens da face da Terra). Licenciou-se em Economia ao engano, é empresária, mas depois encarreirou para os Estudos Orientais, com pendor para a China. É cronista do Público e escreve ocasionalmente ensaios sobre livros e leituras na Ler. Já foi blogger e cronista do Observador e Diário Económico. Considera Lisboa (onde nasceu e vive) a cidade mais bonita do mundo, mas alimenta devaneios com Londres e Hong Kong.
Mulher, na sua década de quarenta. E de bem com isso. Nasci em Lisboa, cidade que amo, mas sinto-me e desejo-me mulher do e para o Mundo. Movem-me as causas, a cultura, a natureza. Sou projeto inacabado e em permanente desenvolvimento.
Viajante de largas distâncias e curtas amarras. Criativa com ambições de criadora. Ébria da Vida. Amante da Língua Portuguesa. Mãe da Beatriz e (dona) da Viola. 2+2=5, economista de formação. Pessoas, diversidade, chá, vinho, cães, yoga, livros, livre.
Autoras e autores convidados
Feminista. Investigadora de doutoramento na Universidade de Auckland, onde estuda violência sexual no contexto heterossexual.
Começou a estudar sobre trauma na infância, de forma totalmente involuntária. Ao longo dos anos tornou-se uma perita de experiência no assunto e já na idade adulta decidiu tornar a coisa profissional. Mae de três filhos. Um dos quais, o Tomé morreu aos 18 anos num acidente, mudando a sua vida de formas que ainda só agora começa a entender. Fundadora dos projetos Co.mover.se e Saúde para Todos.
Professora do Departamento de Sociologia e Ciência Política da Universidade Autónoma de Barcelona, especializada em Género, imigração e políticas públicas. É também Consultora de Género para organismos públicos catalães, em projectos Europeus e no acompanhamento de empresas na implementação de planos de Igualdade e medidas que fomentem a equidade de Género no âmbito empresarial.
Victor Tavares Morais, nasceu em Luanda no ano em que o homem pisou a Lua e o escritor Samuel Beckett ganhou o prémio Nobel, é católico, casado e pai de dois filhos. É engenheiro e mestre em gestão, trabalhou entre Portugal e Cabo Verde, e podem encontrá-lo no twitter em @tavares_morais.
Portuguesa, de Lisboa. 2 filhos, um marido, um cão, família e alguns bons amigos. Emigrante. Aprendiz de design e de muitas outras coisas.
Mãe de três, psicóloga e activista.
Beatriz is a 3rd year student of English Literature and Creative Writing at Warwick University. She is also the President of the biggest student-led society in her University, focusing on raising funds for various causes. She is passionate about open conversation regarding feminism, climate change and how to make a change in the current state of the world.
Rodrigo Ferrão nasceu em 1983, é natural do Porto e frequentou o curso de Direito, mas virou a página e foi livreiro alguns anos. Rodeado de livros, dedicou-se à discussão literária através do mundo digital. Não totalmente realizado com o debate, decidiu escrever a sua própria poesia, seguindo-se de outras grafias. Gosta de ler, passear no campo e na cidade, escrever e viajar – não perde uma oportunidade para contar aquilo que vê. Sonha um dia largar o trabalho e ir por aí, divagando como pensa.
Docente de Línguas e Estudos Culturais. Mulher orgulhosa de o ser e Mãe. Ser pensante, com gosto pela vida, migrante, a quem calharam (a julgar pelas estatísticas) incidentes não tão invulgares quanto isso.
Pintora, escritora e ativista.
Lisboa, 1962, economista, focado na macroeconomia e política económica. Publicou O fim do euro em Portugal? (2012, Actual Editora) e O euro e o crescimento económico (2017, Fundação Francisco Manuel dos Santos).
Nasceu em 1972 Ana Catarina Ribas Lopes, mas o mundo académico e profissional encolheram-lhe o nome para Ana Ribas. É licenciada em Ciências da Comunicação, curso onde leccionou uma mão cheia de anos, mantendo-se ainda hoje ligada à formação. Apesar da aspiração ao Direito, estava destinada ao marketing e à publicidade. A trabalhar desde os 15, percebeu cedo o mundo das desigualdades. Mãe de 4, feminista por genética e formação, detesta generalizações, abomina rótulos, não suporta injustiças e continua a acreditar que cada um de nós pode fazer a diferença!
Teresa Morais tem 35 anos, é jurista, tradutora e activista. Depois de viver em São Paulo e em Londres, voltou, há dois anos, à Lisboa que a viu nascer. Gosta de biografias, boas revistas, boas séries, bons políticos e bons amigos. Ouve música de todos os estilos, a toda a hora, em qualquer lugar. Está no Capital Magazine por acreditar ser esta a hora de falar de causas e de fazer melhor política em Portugal.
Ricardo Arruda, 43, estudou Ciências da Comunicacão em Lisboa e fez um MBA em Finanças nos Estados Unidos. Vive há mais de vinte anos entre os Estados Unidos e o Reino Unido e foi gestor em companhias financeiras tão variadas como a AXA, Merrill Lynch e AVIVA. Nos tempos livres gosta de fotografia, viajar, musica e ler livros de História. Continua a adiar a escrita do primeiro livro mas até lá vai ser o nosso correspondente em terras de Sua Majestade.
Foi em 1984 que Lisboa a viu nascer. Desde aí, de trambolhão em trambolhão, assistiu divertida a um rol de mudanças, peripécias e contradições. Mãe, feminista, liberal e paradoxo ambulante. Jurista, tradutora, empresária e ativista.
Depois da licenciatura em Ciências da Comunicação, seguiu para Londres à procura de mais jornalismo. Tirou uma pós-graduação em Fashion and Lifestyle Journalism no London College of Fashion, University of the Arts London e, ao mesmo tempo, colaborava com as revistas LuxDECO, Lux e Única do Expresso. Tirou tempo para se dedicar ao desporto e voltou no site Rua de Baixo e agora na Capital Magazine.
[vc_raw_html tdc_css=”eyJhbGwiOnsiZGlzcGxheSI6IiJ9fQ==”]JTNDYSUyMGhyZWYlM0QlMjIlMkZhdXRvcmFzJTIyJTNFTWFpcyUyMGF1dG9yYXMlMjBlJTIwYXV0b3Jlcy4uLiUzQyUyRmElM0U=[/vc_raw_html]

MAIS

[/vc_column][/vc_row][vc_row el_class=”td-ss-row”][vc_column width=”2/3″]

MÃES E FILHOS (E PAIS)

LIFE STYLE

SIN VINO NO HAY CAMINO!

SIN VINO NO HAY CAMINO!

SIN VINO NO HAY CAMINO!

ALÉM FRONTEIRAS

SIN VINO NO HAY CAMINO!

SIN VINO NO HAY CAMINO!

SIN VINO NO HAY CAMINO!

SAÚDE

BIBLIOTECA

FORA DO BARALHO

SIN VINO NO HAY CAMINO!

SIN VINO NO HAY CAMINO!

SIN VINO NO HAY CAMINO!

VIDAS XX

[/vc_column][vc_column width=”1/3″][/vc_column][/vc_row]