12 C
Lisboa
Quinta-feira, Dezembro 9, 2021

ÚLTIMAS

‘A Ordem Moral’ (moral?!)

Vi há duas semanas na HBO o filme A Ordem Moral, de Mário Barroso. (Também está, seriado, na RTP Play). Já tinha...

POLÍTICA

DEBATES

ARTES E CULTURA

QUOTIDIANO

Mãe de dois rapazes e feminista (das duas características conclui o leitor inteligente que não quer exterminar os homens da face da Terra). Licenciou-se em Economia ao engano, é empresária, mas depois encarreirou para os Estudos Orientais, com pendor para a China. É cronista do Público e escreve ocasionalmente ensaios sobre livros e leituras na Ler. Já foi blogger e cronista do Observador e Diário Económico. Considera Lisboa (onde nasceu e vive) a cidade mais bonita do mundo, mas alimenta devaneios com Londres e Hong Kong.
Autoras e autores convidados
Mulher, na sua década de quarenta. E de bem com isso. Nasci em Lisboa, cidade que amo, mas sinto-me e desejo-me mulher do e para o Mundo. Movem-me as causas, a cultura, a natureza. Sou projeto inacabado e em permanente desenvolvimento.
Psicóloga desativada com uma costela, no feitio, de Brites de Almeida em que tal como ela é mais a fama do que o proveito. Entre 1960, em Trás-os-Montes onde fui parida e o Porto onde fui feita segundo rezava o meu pai quando farto das minhas impertinências desabafava "por que não fui à pesca nesse dia?" e hoje, Coimbra, do meu mundo fazem parte 5 rios, o primeiro dos quais no alto alentejo raiano e 12 localidades por chão onde muitas vezes me descalcei para ser alimentada. Não sei quem escreveu mas um dia li e tomei como minha "se vos contasse tudo o que penso e vejo seria internada" Saltimbanca me sinto desenguiçando o emaranhado das ideias, qual marioneta, no caos do mundo em que me sento a atuar no pequeno palco comandada por forças que não controlo.
Feminista. Investigadora de doutoramento na Universidade de Auckland, onde estuda violência sexual no contexto heterossexual.
Começou a estudar sobre trauma na infância, de forma totalmente involuntária. Ao longo dos anos tornou-se uma perita de experiência no assunto e já na idade adulta decidiu tornar a coisa profissional. Mae de três filhos. Um dos quais, o Tomé morreu aos 18 anos num acidente, mudando a sua vida de formas que ainda só agora começa a entender. Fundadora dos projetos Co.mover.se e Saúde para Todos.
Professora do Departamento de Sociologia e Ciência Política da Universidade Autónoma de Barcelona, especializada em Género, imigração e políticas públicas. É também Consultora de Género para organismos públicos catalães, em projectos Europeus e no acompanhamento de empresas na implementação de planos de Igualdade e medidas que fomentem a equidade de Género no âmbito empresarial.
Victor Tavares Morais, nasceu em Luanda no ano em que o homem pisou a Lua e o escritor Samuel Beckett ganhou o prémio Nobel, é católico, casado e pai de dois filhos. É engenheiro e mestre em gestão, trabalhou entre Portugal e Cabo Verde, e podem encontrá-lo no twitter em @tavares_morais.
Portuguesa, de Lisboa. 2 filhos, um marido, um cão, família e alguns bons amigos. Emigrante. Aprendiz de design e de muitas outras coisas.
Mãe de três, psicóloga e activista.
Beatriz is a 3rd year student of English Literature and Creative Writing at Warwick University. She is also the President of the biggest student-led society in her University, focusing on raising funds for various causes. She is passionate about open conversation regarding feminism, climate change and how to make a change in the current state of the world.
Rodrigo Ferrão nasceu em 1983, é natural do Porto e frequentou o curso de Direito, mas virou a página e foi livreiro alguns anos. Rodeado de livros, dedicou-se à discussão literária através do mundo digital. Não totalmente realizado com o debate, decidiu escrever a sua própria poesia, seguindo-se de outras grafias. Gosta de ler, passear no campo e na cidade, escrever e viajar – não perde uma oportunidade para contar aquilo que vê. Sonha um dia largar o trabalho e ir por aí, divagando como pensa.
Docente de Línguas e Estudos Culturais. Mulher orgulhosa de o ser e Mãe. Ser pensante, com gosto pela vida, migrante, a quem calharam (a julgar pelas estatísticas) incidentes não tão invulgares quanto isso.
Pintora, escritora e ativista.
Viajante de largas distâncias e curtas amarras. Criativa com ambições de criadora. Ébria da Vida. Amante da Língua Portuguesa. Mãe da Beatriz e (dona) da Viola. 2+2=5, economista de formação. Pessoas, diversidade, chá, vinho, cães, yoga, livros, livre.
Lisboa, 1962, economista, focado na macroeconomia e política económica. Publicou O fim do euro em Portugal? (2012, Actual Editora) e O euro e o crescimento económico (2017, Fundação Francisco Manuel dos Santos).
Carla Macedo nasceu em 1979 e nem acredita que já passou tanto tempo. É jornalista desde 2001, feminista desde os 8 anos, quando teve uma epifania na missa. Esteve envolvida na criação do site Delas.pt, do qual foi editora executiva até ao verão de 2018. Conduziu entrevistas na rádio TSF a mulheres que se destacam em diferentes áreas, no programa Conversas Delas. Na LuxWoman, foi chefe de redação, na Máxima Interiores, também. Colaborou com a Evasões, a Volta ao Mundo (sim, sim, adora viajar!), a Notícias Magazine, a Sábado e muitas mais. Fez televisão para uma produtora, mas os programas nunca foram para ar – danos colaterais da crise! Licenciou-se em Línguas e Literaturas Modernas, começou no jornalismo numa revista de carros, a Frota, ainda antes de acabar o curso, fez o CENJOR e depois um curso de Jornalismo Multimédia. É casada. Tem dois filhos, um rapaz e uma rapariga. Igualdade em casa é coisa que não falta.
Nasceu em 1972 Ana Catarina Ribas Lopes, mas o mundo académico e profissional encolheram-lhe o nome para Ana Ribas. É licenciada em Ciências da Comunicação, curso onde leccionou uma mão cheia de anos, mantendo-se ainda hoje ligada à formação. Apesar da aspiração ao Direito, estava destinada ao marketing e à publicidade. A trabalhar desde os 15, percebeu cedo o mundo das desigualdades. Mãe de 4, feminista por genética e formação, detesta generalizações, abomina rótulos, não suporta injustiças e continua a acreditar que cada um de nós pode fazer a diferença!
Teresa Morais tem 35 anos, é jurista, tradutora e activista. Depois de viver em São Paulo e em Londres, voltou, há dois anos, à Lisboa que a viu nascer. Gosta de biografias, boas revistas, boas séries, bons políticos e bons amigos. Ouve música de todos os estilos, a toda a hora, em qualquer lugar. Está no Capital Magazine por acreditar ser esta a hora de falar de causas e de fazer melhor política em Portugal.
Ricardo Arruda, 43, estudou Ciências da Comunicacão em Lisboa e fez um MBA em Finanças nos Estados Unidos. Vive há mais de vinte anos entre os Estados Unidos e o Reino Unido e foi gestor em companhias financeiras tão variadas como a AXA, Merrill Lynch e AVIVA. Nos tempos livres gosta de fotografia, viajar, musica e ler livros de História. Continua a adiar a escrita do primeiro livro mas até lá vai ser o nosso correspondente em terras de Sua Majestade.
Foi em 1984 que Lisboa a viu nascer. Desde aí, de trambolhão em trambolhão, assistiu divertida a um rol de mudanças, peripécias e contradições. Mãe, feminista, liberal e paradoxo ambulante. Jurista, tradutora, empresária e ativista.
Depois da licenciatura em Ciências da Comunicação, seguiu para Londres à procura de mais jornalismo. Tirou uma pós-graduação em Fashion and Lifestyle Journalism no London College of Fashion, University of the Arts London e, ao mesmo tempo, colaborava com as revistas LuxDECO, Lux e Única do Expresso. Tirou tempo para se dedicar ao desporto e voltou no site Rua de Baixo e agora na Capital Magazine.

MAIS

MÃES E FILHOS (E PAIS)

LIFE STYLE

ALÉM FRONTEIRAS

SAÚDE

BIBLIOTECA

FORA DO BARALHO

Finais Felizes

Luto em vez de luta

Os companheiros ocultos do amor

O que nos move?

VIDAS XX