Joãozinho

0

Crianças com cancro internadas em contentores – é esta a imagem que tento recriar na mente, mas não consigo. Entro e saio do Hospital de São João há anos e lá está o local das obras a anunciar a futura ala pediátrica, nada mais.

Descubro, em notícia dada ao JN recentemente, que isto dura há 8 anos! António Oliveira e Silva, presidente do Conselho de Administração do São João diz que “em abril será transferido para o edifício principal do hospital o internamento pediátrico oncológico, permanecendo nos contentores provisórios desde 2011 o restante internamento de pediatria”.

Não conheço o presidente do CA do São João. Não falei com o presidente da Câmara Municipal do Porto. Não enderecei pedidos de esclarecimento aos sucessivos ministros da saúde, governos ou mesmo ao presidente da República. Mas confesso que me chateio com a inércia, com a pouca vontade, com a falta de prioridade dada ao caso. Isto é mandatário, é óbvio em qualquer ponto do mundo.

O tempo para a indignação não morre. As culpas por cá continuam a passar pelo buraco da fechadura, nesse hábito secular tão nosso de chutar para o lado. Somos bons a realizar eventos, receber turistas, afirmamos o país pela paz e boa vida. Portugal está na moda e tem slogan para tudo! Mas depois empurramos crianças para contentores, abandonamos os velhos, não visitamos doentes.

Ninguém se mexeu para dar preferência à obra, para tirar pacientes oncológicos de pré-fabricados, parar a quimioterapia em corredores, deixar de ver o lixo hospitalar circular por espaços apertados, entre miúdos que lutam para viver.

Um hospital é um local de vida e óbito. Nasce-se, luta-se e morre-se no mesmo espaço, todos os dias. Nos corredores há esperança, confiança, desconsolo e tristeza.

Não sou capaz de entrar e imaginar que esta é a última casa de algumas crianças ou o espaço que habitam para se agarrarem à vida. Não tenho filhos e não conheço nenhuma criança assim tão doente. Não compreendo a dor de um pai destes, mas sei ser solidário nela, com e por eles.

O direito à vida existe, a dignidade na morte também. Porque é que este assunto andou adormecido tanto tempo? Andamos, uma vez mais, com as baterias mal apontadas. E lá estaremos a cortar fitas dentro de algum tempo, reclamando as nossas boas acções, como se o passado se descolasse de nós, assim simplesmente.

É preciso mais, muito mais.

Artigo anteriorConstruir o civismo
Próximo artigoCiclos, novas direções, ruturas
Avatar
Rodrigo Ferrão nasceu em 1983, é natural do Porto e frequentou o curso de Direito, mas virou a página e foi livreiro alguns anos. Rodeado de livros, dedicou-se à discussão literária através do mundo digital. Não totalmente realizado com o debate, decidiu escrever a sua própria poesia, seguindo-se de outras grafias. Gosta de ler, passear no campo e na cidade, escrever e viajar – não perde uma oportunidade para contar aquilo que vê. Sonha um dia largar o trabalho e ir por aí, divagando como pensa.

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.