Ginocídio

0

A imagem da esquerda é fictícia: ainda não existem ventres artificiais, mas milhões estão a ser investidos nessa pesquisa, todos os anos. A da direita não só é real como pode ser comprada por 10 euros no site Wish: é um suporte “preguiçoso”, como o vendedor anuncia, de biberons. Qual a semelhança entre os dois equipamentos?

Ambos visam substituir a mulher.

A reprodução e a amamentação são super-poderes das mulheres. Se é exclusivo da biologia feminina, se só nós conseguimos fazer algo e os homens não, então é um poder. Não significa que cada mulher o tenha que usar, mas siginifica que cada mulher é biologicamente poderosa.

A prova de que são super-poderes está no patriarcado: a inveja masculina que há milhares de anos tudo faz para dominar estes nossos poderes. É essa inveja que se manifesta nos livros religiosos que promovem a pureza, castidade e fidelidade da mulher, nas leis que criminalizam o aborto, nas frases feitas “gravidez não é doença”.

As feministas há muito sabem que a nossa biologia é a raíz da nossa opressão. Mas a biologia não é o opressor. O opressor é a cultura (patriarcado). Não podemos confundir uma e outra. Quando dizemos que só as mulheres podem gerar crianças e amamentá-las, não estamos a dizer que todas as mulheres têm de o fazer e muito menos dizemos que as mulheres servem só para isso. É o oposto: isso só serve para as mulheres, porque só o nosso corpo o consegue fazer.

Um braço do feminismo cede à tentação de propor que as mulheres se desconectem desses poderes como forma de combater a opressão. Aqui incluem-se as feministas anti-natalistas, as lésbicas separatistas e outras que na senda do manifesto publicado por Shulamith Firestone, acreditam que a mulher é mais livre se não se reproduzir, se não amamentar ou mesmo se recorrer a ventres artificiais.

Fora do campo académico do feminismo, muitas mulheres hoje escolhem não amamentar ou desmamar cedo, fazer cesarianas electivas, tomar a pilula décadas a fim sem discutir outras formas de contracepção com o parceiro como vasectomia, etc. Por detrás destas “escolhas” – que não são tomadas num vacuum social – está constantemente presente a cultura machista que nos manda desconectar do nosso corpo, que tem nojo da fisiologia feminina, da forma do corpo feminino, da realidade do corpo pós-parto que ainda ontem à noite foi considerado “demasiado gráfico”.

Quantas vezes estas “escolhas” não são misoginia interna, repúdio do próprio corpo, vergonha da condição de fêmea? Mais fácil e tentador não chegar a analisar cada uma, e vê-las a todas como “escolhas da mulher”. Se ela escolheu, então não há machismo. Isto não é demasiado simplista? Não se está a silenciar nem a criticar essas mulheres, individualmente, mas a cultura dominante que promove o repúdio da mulher, da biologia feminina. O gaslighting machista que faz com que muitas mulheres não só não vejam os seus poderes como super-poderes, como ainda os rejeitem e odeiem.

Tenho a maior empatia pelo sofrimento destas mulheres, sei o que custa ser mulher neste mundo, e como seria mais fácil ser homem, equiparadas a eles.

Mas não amamentar não evita nem reduz a nossa opressão, da mesma forma que construir uma máquina para gestar fetos não acabará com o controlo dos corpos das mulheres pelo patriarcado. Muitas mulheres escolhem não ser mães ou secam o leite e continuam a ser descriminadas e oprimidas como as demais. Rejeitar a nossa biologia não nos protege.

Para clarificar: eu não acredito no instinto maternal, no sentido vontade incontrolável das mulheres serem mães. Acredito que não é para todas e sou defensora acérrima das mulheres controlarem a sua reprodução. Se tivessemos plenos direitos reprodutivos, a população mundial seria muito menor, tenho a certeza. Porque muitas mulheres escolheriam livremente não ser mãe.

Mas acredito também que nesse mundo feminista de sonho, se as mulheres que escolhessem ser mães – livremente e pelas razões certas – estivessem conectadas com o seu corpo, conhecessem bem os seus ciclos, a sua anatomia e fisiologia, controlassem a sua fertilidade e engravidassem quando só elas queriam (fim da violêcia sexual), passassem gravidezes tranquilas e felizes, deixassem o trabalho de parto iniciar naturlamente, libertando todas as endorfinas e hormonas que mascaram a dor, fossem ensinadas por mães mais experientes a dar o peito, a ajudar o bebé a pegar correctamente para nunca sentirem dor no aleitamento, dormissem perto do seu bebé, nunca o deixassem chorar, tivessem o apoio de uma comunidade mais alargada que prestasse todo o tipo de auxilio à mãe e bebé, tenho a certeza que quase todas as mães amamentariam prolongadamente. Mas é uma utopia, estou a descrever um mundo que não existe. Neste, a indústria do leite em pó vale 50 biliões e cresce anualmente. Neste, são raras as mães que amamentam exclusivamente os primeiros 6 meses, e mais raras ainda as que o fazem em conjunto com outros alimentos até aos 2 anos, pelo menos, como dita a OMS.

Pelo que o leite em pó ganhou. Uma invenção do homem com algumas décadas de existência, sobrepôs-se a milhões de anos de evolução mamífera. Claro que, como qualquer substituto artificial de um poder nosso, não presta por comparação: o leite materno é uma substância viva, com células estaminais que protegem o bebé de vários cancros. Já o leite em pó está “morto”.

E aqui entra a comparação inicial: devemos todas ter medo de qualquer substituto da mulher: leite em pó, robots sexuais e, o pior de todos, ventres artificiais. Nenhum destes são ferramentas da libertação da mulher, pelo contrário, podem ser as armas do nosso extermínio.

A primeira existe há várias décadas e já conseguiu dominar a alimentação infantil (pese embora os esforços da OMS), a segunda está numa nova fase com a AI e estamos a menos de 5 anos de ter robots sexuais hiper-realistas, e a terceira está a 20 anos de distância, com milhões a serem injectados nessa pesquisa. Acredito, como Andrea Dworkin, Janice Raymond e Catherine MacKinnon, que esse dia poderá ser o primeiro do nosso genocidio – o “ginocídio”.

Quando o homem exibe complexos de deus e tenta recriar a natureza, fá-lo à sua imagem: um ser que não consegue gestar uma criança nem produzir leite para a alimentar.

Este mundo odeia as mulheres, quando já não precisarem de nós para assegurarem a continuação da espécie, o que é que farão connosco?

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.