Teresa Violante | Recensão de Feminism for the 99% – A Manifesto

0
Imagem de Isabel Santiago

Feminism for the 99% – A manifesto*, de Cinzia Arruzza, Tithi Bhattacharya e Nancy Fraser. London: Verso, 2019, 96 p.

1551394070004-pjimage-11

Os feminismos não são todos iguais. Esta é a principal lição que a leitura deste pequeno livro, que começa por ser um exercício de separação de águas, nos deixa. Muito dos ecos feministas que ganharam visibilidade nos últimos anos representam o “feminismo liberal”, cujo arquétipo as autoras identificam com Sheryl Sandberg, diretora operacional do Facebook e autora da bíblia femocrata Lean in: women, work and the will to lead. O feminismo liberal ou progressista, argumentam, assenta na falácia meritocrática e personifica a desconexão que existe entre a elite feminista que ascendeu a cargos de poder e a esmagadora maioria das mulheres norte-americanas, cujas vidas não só não melhoraram como sofreram as agruras adicionais da austeridade e consequente perda de emprego ou degradação das condições laborais. De facto, durante largas décadas (e ainda hoje) o feminismo progressista libertou as mulheres brancas do trabalho doméstico, mas, ao mesmo tempo, condenou gerações de mulheres negras e latinas a esse trabalho que as primeiras deixaram para trás, a troco de exíguos salários e precariedade. O lean in de Sandberg representa, em rigor, um lean on nessas mulheres mais pobres, mantendo-se deste modo o típico modus operandi capitalista, caracterizado pela dominação da maioria necessitada por uma elite minoritária e poderosa. Até aqui nada de novo a não ser a tal clarificação conceptual – cuja utilidade e importância seriam, já de si, razões mais que suficientes para devorar este livro na primeira oportunidade.

Feita esta depuração inicial, o livro desenvolve-se em várias teses que incorporam um verdadeiro manifesto feminista, advogando um feminismo emancipatório e maioritário que tem por fim último a libertação dos 99% subjugados, pelo capitalismo, ao 1% extrativo e opressor. Todos os 99% são os reais destinatários deste apelo, e não apenas as mulheres. Arruza, Battacharya e Fraser, três proeminentes vozes da Teoria Crítica, empenham o seu esforço argumentativo para demonstrar que não é possível lutar contra a opressão das mulheres sem abraçar as restantes reivindicações contra-hegemónicas – os movimentos sindicais e de defesa dos direitos dos trabalhadores, o movimento ecologista em tempos de emergência climática, a luta por uma educação gratuita e de qualidade, por habitação decente a custos controlados, pelo acesso a cuidados de saúde universais e gratuitos e, por fim, por um mundo livre de racismos, discriminações e conflitos armados.

Como certamente já terá percebido, a inspiração para este manifesto é dada por Marx e Engels, que em 1848 escreveram o Manifesto Comunista, e em cujos ombros as autoras se apoiam. Com este manifesto propõem-se superar os dois principais desafios que impendem sobre o feminismo e a esquerda: garantir, quanto ao primeiro, que a articulação de um ideário feminista visa a real emancipação da maioria das mulheres, e não de pequenos grupos já de si privilegiados, que partem os glass ceilings deixando para os mais pobres a tarefa de limpar os cacos. Quanto ao segundo, alcançar a articulação entre a luta anticapitalista, particularmente contra o neoliberalismo, e a eclosão dos identitarismos, ultrapassando assim a tensão que representa a maior dificuldade da esquerda neste século XXI.

Feminism for the 99% apresenta-se como um incontornável apelo a quem acredita que um mundo melhor e mais justo é possível. O feminismo emancipatório tem um cunho eminentemente transformador: ao reclamar o desmantelamento do patriarcado pede nada menos do que uma revolução cultural, social, económica e política. Porque não ousar lutar pela revolução para todas e para todos?

* com tradução portuguesa, Feminismo para os 99% – Um manifesto. Ed. Objectiva.

Teresa Violante, Investigadora Universitária

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.