Uma Igreja e uma ideologia que agridem mais uma menina violada que aborta que o violador

0

Não há muito para comentar sobre este caso. A realidade é tão vívida e tão horripilante que não é necessário acrescentar.

No Brasil, no estado de Pernambuco, uma menina de 10 anos, violada pelo tio repetidamente desde que tinha seis anos, engravidou. Segundo a lei brasileira – e qualquer decência humana – a criança podia abortar. Depressa se gerou uma onda de protestos pela direita ultra conservadora bolsonarista contra este aborto. A criança teve de mudar de hospital e foi no segundo hospital que lhe fizeram o aborto. Isto tudo no meio de gritarias de ódio folclóricas pela direita bolsonarista brasileira, com vigílias em frente ao hospital, ameaças e insultos à equipa médica e à criança violada.

Os piores momentos vieram, um, de uma tal Sara Winter, terrorista de extrema-direita, que revelou o nome da criança violada, o nome do médico que iria fazer o aborto e o hospital onde estavam ambos. Isso, uma criatura peçonhenta divulgou publicamente o nome de uma menina que foi violada durante quatro anos. O outro, de uma alegada católica, também bolsonarista, com uma publicação no facebook onde afirmava desconfiar que a menina de dez anos teria provocado a violação, e onde oferecia palavras duras a absolutamente toda a gente – a criança abusada, os pais, os médicos – menos o violador. Para esse não teve nenhumas críticas, nem leves.

(Nota: por cá o twitter da direita mais conservadora também e pronunciou condenando o aborto.)

Custa a crer que existem espécimes humanos como estes, não é? Mas existem, e são pessoas que se dizem católicas, e se calhar vão à missa. De facto, a criatura que culpou a menina de 10 anos violada pela violação teve direito a post desculpabilizador vindo da sua paróquia – e dando também, claro, o maior crime como o aborto de uma criança violada de 10 anos.

O comportamento da Igreja brasileira é outro nojo sem fim. O bispo de Recife veio queixar-se que o aborto causou a morte de uma menina de 5 meses. O bispo presidente da conferência nacional de bispos brasileiros considerou que o aborto realizado é ‘crime hediondo’. Ambos só lateralmente se ocuparam da violação continuada de uma criança. Segundo o presidente da CNBB, ‘a violência sexual é terrível, mas…’

Noto que não é a primeira vez que no Brasil há repúdio direcionado a meninas que abortam na sequência de violações. Um caso (há mais outros) de 2009 também teve a Igreja a repudiar um aborto feito numa menina de 9 anos depois de violada e engravidada pelo padrasto. Foi a tal ponto que a equipa médica e a mãe desta menina – que lhe salvaram literalmente a vida – foram excomungados pelo arcebispo de Recife e Olinda. Segundo esta pessoa que é bispo, um aborto nesta condições foi mais grave que a violação da criança de nove anos.

Bom, como escrevi inicialmente, não há muito a comentar. Há criaturas – a quem não consigo chamar de pessoas – que claramente convivem sem grandes problemas com a violência sexual, incluindo a feita sobre crianças. (Desde logo porque a Igreja tem sido uma grande praticante de violência sexual, incluindo sobre crianças.) E estas mesmas criaturas – que alegam hipocritamente defender a vida – mostram que a vida das mulheres e das meninas, para eles e elas, não vale absolutamente nada. Uma menina de 10 anos, ou de 9, não está evidentemente fisicamente preparada para uma gravidez. Na adolescência, uma gravidez continua a ser um maior risco, pelo corpo ainda em formação. Donde, as ditas criaturas não se importavam de literalmente rebentar estas crianças para as obrigar a manter a gravidez.

E há a questão da violação. Uma mulher que é violada desenvolve uma doença incapacitante que dá pelo nome de perturbação de stress pós-traumático. É uma doença que pode levar ao suicídio. Precisa de tratamento. E um dos elementos essenciais para qualquer vítima de um evento traumático começar o seu processo de cura é sentir que reganhou o controlo sobre a sua vida (e o seu corpo, neste caso) e que está em segurança e afastada do seu agressor. Como é evidente, uma gravidez resultante de uma violação não só impede estes pressupostos para o início da cura como, ao contrário, é a continuação e a presença da violação. É uma agravante de trauma para uma mulher violada.

Alguém que desumaniza as mulheres a ponto de defender que a sua saúde é tão irrelevante que devem ser obrigadas a manter uma gravidez resultante de uma violação – é, temos de dizer, um monstro. Mais uma vez: de modo nenhum defendem a vida, a vida da mulher violada vale zero para estes monstros.

Portanto, é com monstros que estamos a lidar. Monstros que vêem as mulheres e as meninas como animais parideiros descartáveis. E estes monstros são católicos ultra conservadores, não esquecer. E que têm uma ideologia: a direita populista bolsonarista, trumpista (são igualmente fanáticos quando o assunto envolve aborto), nacionalista, alt right que endeusam o mercado e o obscurantismo religioso.

Do lado de cá do Atlântico são iguais, não esqueçamos.

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.