Mercadores de Memórias – uma loja especial com a Ásia no coração

0

Há pessoas com carisma. O mesmo para locais. E lojas também. Falámos com Lina Vaz, a dona e a alma das lojas Mercadores de Memóriasm há dias na loja de Azeitão. Ao lado da Quinta da Bacalhôa, com a fábrica de azulejos de Azeitão em frente, num local com uma frente clássica e bem portuguesa de um amarelo alegre com grades de ferro nas janelas.

O exterior não nos prepara para o interior. Uma loja grande e espaçosa, com muita luz natural, um mezzanine gigante, a madeira da estrutura do teto em diálogo feliz com a madeira das peças que povoam o interior.

A Mercadores de Memórias não ficaria mal descrita como uma viagem à Ásia. De facto, a maioria das peças, grandes e pequenas, são importadas da Ásia. Corrijo: uma viagem ao melhor da Ásia. Porque o que lá vemos são jóias de prata pura da Indonésia, móveis de madeiras nobres – como a teka – da Índia, da Indonésia e da Birmânia, peças decorativas de madeira da Tailândia, roupas de linho e sedas coloridas da Índia, incensos de odores afrodisíacos japoneses, tapetes e texteis coloridos, loiças artesanais no fio da navalha entre o decorativo e o utilitário, espelhos vindos das mil e uma noites. Peças enormes e de impacto que fazem uma casa, ao lado de objetos que são perfeitos para presentes originais e bonitos.

Lina Vaz, a alma da Mercadores de Memórias

O que se encontra na Mercadores de Memórias são peças especiais. Não são sequer as peças que se encontram nas feiras internacionais. O design é apurado, numa feliz mistura entre o asiático e o contemporâneo. Uma espécie de fusão.

Não espanta, porque o processo de criação das peças também é já um trabalho conjunto entre oriente e ocidente. Lina Vaz vai diretamente às empresas, sobretudo na Índia e na Tailândia, às vezes debaixo de ‘um calor de cinquenta graus’ e as peças são o resultado da ideia da compradora portuguesa aplicada à produção e aos métodos tradicionais e artesanais asiáticos. Lina conta ‘que é um trabalho de afetividade. Já conhecemos os trabalhadores das empresas e temos afetividade por eles. E têm imensa arte.’ Conhecedora da realidade destes países, também constata: ‘é importante dar trabalho a estas pessoas, que se nós não lhe dermos esse trabalho é complicado sobreviverem.’

As peças que resultam deste trabalho afetivo entre Lina Vaz e os indianos, e outros, de ‘olhar doce’ não ficam só por Portugal. Conta que uma das empresas replicou uma peça que criaram em conjunto e vendeu dez mil para os Estados Unidos. Reconhece que tem um ‘olho clínico para as peças diferentes e, muitas vezes, chagar cá e transformá-las’.

Por uma peça em casa de um cliente é a finalização de um trabalho que começa na visita às empresas. ‘É muito interessante vermos aquele lugar daquela casa, as voltas que a peça deu, e terminou ali, está ótima, é a alma do lugar. Gosto que as minha peças se tornem na alma das casas. E é muito frequente isso acontecer. É mais doloroso, tenho de esperar pelo cliente certo, pela boa vontade certa.’ De resto, foi uma atividade que se foi aprofundando com o tempo de Mercadores de Memórias: uma consultoria de decoração aos clientes, começando pelas cores a usar até aos móveis, tecidos e peças decorativas, que agora oferece aos clientes.

É um trabalho muito personalizado. ‘O meu negócio é muito pequeno’ – diz Lina com excessiva modéstia – ‘e gosto muito desta fase, gosto muito de trabalhar com o cliente diretamente’.

A Mercadores de Memórias foi iniciada há treze anos, apesar de Lina Vaz ter já antes experiência com a Ásia. Foi criada juntamente com o marido, que é carpinteiro de interiores, e que faz também móveis de origem e dá apoio à empresa na transformação das peças e na manutenção das peças.

E o que a faz escolher uma peça? ‘É como se ela conversasse comigo. Pode estar atrás de um molho de coisas, que eu descubro-a. É ver o potencial das peças, ter uma alma, o poder transformador que a peça virá a ter num ambiente, o calor que transmite.’

‘Os nossos fornecedores são fantásticos. Trabalhamos por exemplo na Tailândia com um atelier que tem gente francamente boa.’ Não são empresas (pequenas) citadinas. É no interior profundo, às vezes no meio dos arrozais, que estes empresários-artistas decidem estabelecer os seus ateliers e pequenas fábricas. Reconhece que lhe custa pensar que com o problema do coronavírus vai ficar muito tempo sem os visitar. Não cancelou nenhuma encomenda – mas sabe que outros clientes cancelaram, e preocupa-se com a saúde económica dos seus fornecedores.

Nota-se em Lina Vaz uma preocupação holística, quiçá muito influenciada pela mundividência asiática. Não passou sem sugerir que a Capital Mag faça umas peças sobre os artesão que trabalham na zona de Azeitão, todos eles afetados pelo encerramento que a covid impôs e pela diminuição dos turistas que vão até Azeitão e até Belém, em Lisboa. O sucesso dos outros que estão perto de nós potencia o nosso sucesso – como bem sabe a dona da Mercadores de Memórias e como bem sabem os bons empreendedores.

A loja de Azeitão da Mercadores de Memórias, em Vila Fresca de Azeitão, é o centro do negócio. Mas existe uma outra loja, mais pequena, no Centro Cultural de Belém. Poucos móveis – pela falta de espaço -, mas muitos têxteis para a casa, muitos acessórios para senhoras, jóias de prata e bijuterias, incensos, roupas de linho e seda, pequenos objetos decorativos ideais para presentes.

As duas lojas são espaços criativos, originais, boa onda, coloridos, que nos trazem outros países, outras culturas, outras temperaturas. Valem para procurar o presente especial para alguém querido, para descobrir o móvel que fica arrebatadamente bem lá em casa, mas também como ponto de passagem de um bom passeio. Na loja do CCB a componente lúdica é evidente. Na loja de Azeitão, também é um bom ingrediente num passeio de fim de semana à Quinta da Bacalhôa, aos Azulejos de Azeitão e aos Mercadores de Memórias. Com inúmeros bons restaurantes na zona para um almoço ou jantar a rematar o passeio. No futuro, haverá ao cimo da rua mais um museu com parte da coleção de arte de Joe Berardo, o que completará o menu turístico de Azeitão.

É um bom lugar para comprar boas memórias. Memórias das partes da Ásia onde as peças nasceram e memórias das visitas sempre prazenteiras às lojas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Mercadores de Memórias visto da rua.
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Azulejos de Azeitão, em frente.
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Quinta da Bacalhôa, do outro lado da rua.
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Quinta da Bacalhôa, um ótimo passeio.

 

AZEITÃO
Rua dos Trabalhadores da Empresa Setubalense, 6 (Lateral da Qta. da Bacalhôa)
2945-495 Vila Fresca de Azeitão
Tel: 212 180 597
azeitão@mercadoresdememorias.com
Aberto todos os dias das 10:00h às 19:00h

BELÉM
Centro Cultural de Belém, Loja 4
Praça do Império
1449-003 Lisboa
Tel: 213 017 049
belém@mercadoresdememorias.com
Aberto todos os dias das 10:00h às 20:00

www.mercadoresdememorias.com

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.