A educação de uma idealista | Filipa Roseta

0

Samantha Power começa a sua autobiografia com um aviso. Os leitores serão confrontados com uma história que mistura dor, resiliência, raiva, solidariedade, determinação e riso, mas, acima de tudo, com uma história que apresenta o idealismo, “de onde vem, como é desafiado, e porque razão deve perdurar”.

Em 1979, com nove anos de idade, Samantha chega aos Estados Unidos deixando para trás a Irlanda e um pai amado mas quebrado pelo álcool. A culpa de abandonar o pai transforma-se numa dor permanente, só adormecida pelo reconhecimento que há quem tenha vidas piores no mundo, cabendo-lhe a ela, Samantha, a obrigação de os tentar salvar.

Ainda jovem, parte para a Bósnia onde vive como jornalista independente. Convive com bombardeamentos e com o desaparecimento de amigos, relatando histórias de famílias já sem lágrimas perante o hábito da morte. Dos seus artigos lança apelos à administração Clinton para travar crimes contra a humanidade. Em 2002, sintetiza a sua missão de vida num livro “Um problema do Inferno: a América e a idade do Genocídio”, que lhe vale um prémio Pulitzer.

Envia o livro, como cartão de visita, a um jovem senador promissor, Barak Obama, a quem se oferece para trabalhar para fazer mais pelo mundo. Trabalha com Obama, primeiro em Washington, depois na Casa Branca e, entre 2013-2017, como Embaixadora dos EUA nas Nações Unidas. Nesta transição de jornalista, ativista dos direitos humanos, para o palco da diplomacia mundial da ONU, Samantha confronta-se com as dificuldades de concretizar aquilo que sempre exigiu aos outros.

Publicado em 2019, “A Educação de uma Idealista” é uma  autobiografia política de leitura compulsiva porque mistura, com mestria narrativa e rigor jornalístico, três perspectivas distintas. A primeira perspectiva oferece uma visão privilegiada sobre o desenrolar de factos políticos. A segunda apresenta os dilemas internos de Samantha, quando colocada perante difíceis tomadas de decisão. A terceira descreve uma mulher que tenta conciliar uma vida profissional ambicionada, mas intensa, e uma vida pessoal desejada, mas exigente.

Entre a jornalista, a representante da nação, e a mulher, Samantha encontra-se numa única voz plena de emoções. Relata, com tristeza, os tratamentos de fertilidade efectuados entre reuniões na Casa Branca. Conta, com humor, a necessidade de escapar a um encontro com Suu Kyi, Obama e Hillary, em Burma, para retirar, à bomba, leite materno. Relembra, com amargura, o episódio da morte de uma criança atropelada por um despiste da sua comitiva nos Camarões. Apresenta, com orgulho, vitórias, como o papel crucial da ONU no esforço global para combater a epidemia do Ébola. Não esconde fracassos, identificando a incapacidade dos EUA perante irrefutáveis evidências do ataque químico pelo regime de Bahar al-Assad sobre as suas próprias populações.

Hoje, com os desafios inéditos que a pandemia coloca a todas as nações, é uma boa altura entender o idealismo, de onde vem, como é desafiado, e porque razão deve perdurar. Na reconfiguração do “novo normal”, hoje é uma boa altura para ler Samantha Power.

P9050012
Imagem de Isabel Santiago

Filipa Roseta, Arquitecta e Deputada do PSD à Assembleia da República

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.