Só acontece aos outros – Mitos da Saúde Mental

0

Há coisas que só acontecem aos outros, como morrer, ter traumas ou outros problemas de saúde mental. Tive uma cliente que pedia para se esconder, para não se cruzar com a pessoa seguinte, tal o medo que alguém soubesse que precisava de ajuda para resolver os tais dos traumas que supostamente não tinha. Outro viajava mais de 200 kms para ter a certeza que ninguém sabia da sua “vergonha”. Era professor e tinha medo que os pais dos alunos soubessem e de por isso perder o emprego.

Eu também não sou imune ao estigma, há algum tempo fui comprar um antidepressivo para um amigo à farmácia e antes de dar por isso estava a explicar à farmacêutica que não era para mim…

Sabemos mais sobre a tabela periódica e Camões do que sobre o funcionamento básico dos nossos cérebros e sobre a poética das emoções. Se aprendêssemos sobre isso na escola saberíamos que o trauma é uma coisa corriqueira e que todos passamos por ele durante a vida. Na maioria dos casos se for tratado atempadamente não tem sequelas. Saberíamos também que todos precisamos de ajuda para podermos reaprender a viver depois deles. Embora nem sempre seja precisa ajuda profissional. É a reacção da nossa “tribo” que define as consequências ou a ausência delas.

Um dos benefícios da psico-educação é compreender que há uma continuum entre saúde mental e saúde social. A saúde mental de um indivíduo está indissociavelmente ligada à saúde social da sociedade em que vive e vice-versa.

Nos últimos anos têm sido feitas descobertas incríveis acerca do funcionamento dos Humanos. É importante que essas informações cheguem a tantas pessoas quanto possível. No entanto, já sabemos que informação é poder, e a submissão é uma das respostas ao trauma, que muito convém aos tiranos deste mundo. Por outro lado, é provável que não sejam bem vindas de imediato pelas pessoas que mais dela podem beneficiar, confrontam crenças e visões do mundo, como a meritocracia da saúde mental, que tal como as outras pressupõe que as dificuldades emocionais, psicológicas e somáticas são vergonha porque acontecem só aos fracos.

Nas próximas semanas vou fazer o meu melhor para transmitir aquilo que aprendi e partilhar a minha experiência pessoal aqui. Falar dos diferentes tipos de trauma, das respostas de luta, fuga, congelamento e submissão e de outras coisas que por serem de todos e se aplicarem também aos sistemas sociais e políticos, precisam ser compreendidas por todos. E também das formas como podemos auto-regular-nos e mais importante ainda, co-regularmo-nos. Esta informação salva vidas, eventualmente as nossas.

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.