O Rei vai nú

0

“Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade”, Joseph Goebbels.

Trabalhando com pessoas em crise, torna-se óbvia uma coisa: construímos as nossas vidas sobre introspecções não digeridas de lugares comuns. Frases que ouvimos repetidas mil vezes, na família, na escola… na comunicação social.

A nossa realidade é tão sólida como uma folha de papel, ouvimos dizer, lemos que, vimos no facebook, ou até vimos com os nossos próprios olhos e tirámos as nossas conclusões. Mas será que podemos confiar nos nossos olhos? E se eles já trouxessem colados uns óculos que nos fazem olhar para a realidade através de uma cortina. Uma cortina de pequenas mentiras inquestionadas, ou verdades fora de contexto.

A história da chouriça

Duas amigas, a Ana e a Rita partilhavam casa, a Ana vinha de uma família do Norte e herdara uma receita secreta de Cozido, com um sabor único e delicioso. A Rita pediu, implorou para que lhe ensinasse e por fim farta de a ouvir a rapariga do norte acabou por aceitar.

Ao aprender a receita a Rita ficou espantada ao ver que a Ana cortava as duas pontas da chouriça e as deixava de lado. Curiosa perguntou mas a resposta não a satisfez:

– A minha mãe sempre fez assim e sem isso o sabor não é o mesmo.

Pouco esclarecedor pensou a Rita.

– Ana por favor, pergunta à tua mãe porquê. – Insistiu e insistiu. De volta de casa a Ana trazia uma ar satisfeito.

– Já perguntaste?

– Sim e ela disse-me o que eu já esperava: aprendeu assim com a mãe, é um segredo de família.

– Não, não! Tudo tem uma história, por favor pergunta à tua avó, tenho a certeza que pelo menos ela sabe.

Apesar de irritada a Ana perguntou à avó, agora também ela começava finalmente a estar curiosa.

A resposta da avó tinha todo o sentido.

– Oh querida, cortava as pontas da chouriça porque a panela era pequena e a chouriça inteira não cabia.

A Ana e a Rita riram juntas com esta história e finalmente… deixaram de cortar as pontas da chouriça….

Quantas vezes cortamos as pontas aos nossos sonhos, aos desejos mais profundos da  alma porque a tradição familiar ou social repete mil vezes que tem que ser assim?

Esta história lembra-me a maravilhosa história de “O rei vai nú”. O medo de transgredir e de quebrar as regras implícitas que não compreendemos leva-nos a situações completamente loucas. Como diz Arno Gruen, é o pior tipo de loucura, a loucura da normalidade: desistir de viver a vida de maneira integra e significativa por causa de uma (às vezes muitas) mentiras?

Sempre admirei as pessoas que recorrem à terapia, elas assumem que podem mudar as suas vidas, e tomam responsabilidade por isso. É bem mais fácil achar que os outros deviam mudar ou que simplesmente não temos sorte e nem vale a pena. Enfrentar as nossas sombras e transformá-las em aliadas é coisa para gente corajosa.

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.