Holocausto e as crises do testemunho

0
Andei vários anos, para a dissertação de mestrado, a ler (e a escrever) sobre trauma e os sobreviventes de eventos traumáticos. Muitas estradas iam parar ao Holocausto, que foi O Trauma. Porque, ao contrário do que escrevem aqui – que o Holocausto terminou há 75 anos quando os soldados aliados chegaram a Auschwitz -, o Holocausto nunca terminou para as suas vítimas e há sobreviventes que foram crianças então que ainda vivem no Holocausto. O Holocausto só vai terminar quando morrer o último sobrevivente dos guetos ou dos campos de concentração.
 
E, se me permitem uma recomendação, sabem o que seria um bom tributo, na verdade o melhor ou se calhar o único possível? Forçarem-se a ouvir e a ver os testemunhos dos sobreviventes do Holocausto, tanto no Fortunoff Video Archive for Holocaust Testimonies ou nas várias horas do monumental filme Shoah de Claude Lanzmann. Vai doer, prometo, mas é a obrigação que temos para com que morreu ou viveu aquela malignidade.
 
Para lembrarmos os que morreram, mas também para honrarmos os sobreviventes, que precisam de contar o viram e viveram – e às vezes só o conseguem fazer quarenta anos depois de saírem dos campos de concentração – para, literalmente, conseguirem sobreviver. Mas esta necessidade, este ‘imperativo para contar’ é boicotado pela ‘impossibilidade de contar’. Porque o mundo não quer ouvir, não compreende, os próprios sobreviventes têm dificuldade em articular a condição de sub humanos a que foram remetidos.
 
Deixo aqui nas imagens linhas de Dori Laub, psiquiatra sobrevivente do Holocausto que esteve em campos de concentração enquanto criança, e que construiu o arquivo Fortunoff – precisamente para que a memória do que se passou não morra com os sobreviventes. Do capítulo ‘Truth and Testimony’, do livro Trauma, Explorations in Memory, editado por Cathy Caruth.
 
IMG_6142
 
A parte do Holocausto dos campos de concentração espera-se que não se repita mais. Mas podemos tirar a lição para as outras vítimas de eventos traumáticos, sejam perseguições políticas sejam violações e abusos sexuais ou violência doméstica. As vítimas demoram tempo até conseguirem contar, por vezes anos. E o mundo tem a obrigação e o imperativo moral de as ouvir.
 
 

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.