Desejos para 2020

0

Para 2020 desejo, claro, paz, amor e felicidade. Que se concretizam em:

1.O fim, mas é que já mesmo mesmo já, das decisões judiciais que se preocupam mais com o bem estar, perspetivas de vida, felicidade dos violadores, abusadores sexuais (incluindo de menores) e agressores domésticos que com as consequências para as suas vítimas, para a vida e saúde – e, igualmente ignorado, com fazer justiça a crimes hediondos. O fim, para ontem – que eu não tolero nem mais um caso sem ir atirar ovos para a porta de um qualquer tribunal – de sentenças e acórdãos onde as vítimas sejam insultadas e enxovalhadas, e os criminosos dados como pessoas normais, bem inseridas profissionalmente, que, olhem, lá calharam, não se entende bem como, a partir costela à ex mulher ou a viola a filha (ou o filho) da vizinha.

2. Ter finalmente uma avaliação decente dos juízes que escrevem ignomínias nas sentenças e acórdãos de casos de violência sexual e violência doméstica, obrigando aos cavernícolas a voltarem aos bancos de escola, ou do CEJ, para aprenderem – porque a sua experiência como seres humanos pelos vistos não lhes trouxe – as consequências que crimes violentos têm nas pessoas, como se portam as vítimas, para que servem os tribunais: dispensar justiça e dissuadir futuros criminosos.

3. Formação aos juízes, para perceberem que tipos de crimes são estes, que as mulheres e crianças lá porque são pobres e de ambientes pouco escolarizados continuam a ter direito à integridade física e à autodeterminação sexual.

4. Meios para as forças de segurança protegerem devidamente mulheres que apresentam queixa de violência doméstica e assegurarem o não contacto entre agressor e vítima. Meios para as instituições de apoio às mulheres e filhos que têm de se refugiar longe de casa.

5. Alterações legislativas que aumentem penas para crimes de violência sexual e de violência doméstica, que impeçam que crimes violentos sejam punidos com penas suspensas, que obriguem a que sejam os agressores a saírem da casa de família por queixa de violência doméstica, em vez das vítimas (não raro acompanhadas dos filhos).

6. Quotas de mulheres na chefia da administração pública e no governo de tendencialmente 50%.

7. Mecanismos financeiros estatais de compensação às mulheres que têm filhos, e por cada filho – seja bonificação nos impostos, um subsídio, diminuição da taxa social única, podemos estudar vários cenários. As mulheres que têm filhos trazem uma externalidade positiva às sociedades, que tem benefícios com o nascimento de crianças, ao mesmo tempo que as mulheres ficam com os custos profissionais da maternidade – concretizada na penalidade pela maternidade (diminuição de cerca de 7% no ordenado por cada filho) e na menor possibilidade de ser promovida.

8. Criação de uma lista para divulgação pública com informação sobre as grandes empresas: o diferencial de salários entre homens e mulheres, absoluto e por categorias, bem como a percentagem de mulheres nas chefias e na administração.

Haveria muito mais a desejar, mas como estamos num patamar tão baixo vou ser modesta – desejo só mesmo estes imprescindíveis.

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.