Emergênciocracia

0

Nas relações sociais, no trabalho e na economia tudo está a mudar demasiado rápido e até o clima que tínhamos na esfera da divina providência também está em profunda e veloz transformação. Face às incontornáveis alterações climáticas há que mobilizar a sociedade e responder com acções concretas, para o conseguir há quem proponha uma solução mais radical – estado de emergência climática.

O estado de emergência climática é um voluntarioso propósito proposto por vários instituições ativistas e grupos ambientais, como a Extinction Rebellion, Ecologistas em Ação, Fridays for Future, Seo Birdlife, WWF e Greenpeace. Esta iniciativa pode, na minha opinião, ser contrária aos interesses do combate às alterações climáticas e do próprio regime democrático. É um instrumento que visa reconhecer a extrema gravidade da ameaça representada pelo aquecimento global e envolve a adoção de medidas para conseguir reduzir as emissões de carbono a zero num prazo determinado e exercer pressão política aos governos para que tomem consciência sobre a situação de crise ambiental.

Então, por que razão devemos temer que o estado de emergência climática não seja a melhor solução no combate reforçado contra as alterações climáticas? Porque a experiência, nacional e internacional, demonstra que os estados de emergência quando politicamente motivados, beneficiam sempre os poderes políticos incumbentes e poderosos interesses económicos, e nunca as vítimas das catástrofes, a história recente tem alguns bons exemplos de estudo.

Devo fazer aqui uma ressalva e explicar que não partilho do medo daqueles que vêem na luta climática um aproveitamento de outras causas, uma luta dissimulada contra sistemas de opressão colonialistas, racistas e patriarcais – se do resultado deste combate, resultarem sistemas económicos e sociais menos colonialistas, racistas e patriarcais seria formidável, uma prova de que há fundada esperança num futuro melhor.

Com o estado de emergência climática corremos o risco de asfixiar a democracia, e nada mais conseguir do que satisfazer alguns poderosos interesses particulares. E temos subtis formas de o fazer, nomeadamente quando tentamos agilizar os normais processos democráticos, para justificar a nossa inépcia, incompetência ou a vulgar lentidão procedimental.

Quando escutamos responsáveis do principal organismo estatal para a proteção do ambiente afirmar que, por exemplo – “isto da transição energética só lá vai com mecanismos como o PIN (Potencial Interesse Nacional)” – temos sérias razões para ficar preocupados. Porque a classificação PIN é um procedimento de simplificação administrativo e uma forma de contornar condicionantes legais em matéria de ordenamento do território e de preservação de valores ambientais (nomeadamente a emissão de autorizações especiais para a instalação destes investimentos em áreas de salvaguarda, como a Rede Natura 2000, ou a Reserva Ecológica, ou a Reserva Agrícola Nacional).

Algumas das acções que estão classificadas para combate às alterações climáticas são bastante discutíveis e envolvem alterações profundas no nosso sistema biofísico, como seja a reafectação da utilização de solos agrícolas, desclassificando grandes áreas de terreno a sul, ou a construção de grandes minas a céu aberto no norte e centro do país para a exploração de lítio e outros minérios. Devemos nestes casos garantir todas as cautelas democráticas e evitar atalhos.

Um dos desígnios da transição energética, instrumento fundamental no combate às alterações climáticas, é a democratização do sistema energético, e não faz sentido que o façamos em oposição à democratização do sistema político. Este esforço de combate às alterações climáticas não pode ser realizado sem o envolvimento e a participação ativa das populações, e do poder local. A democracia está sob ataque serrado em várias frentes, não necessitamos de mais esta batalha para a fragilizar, bem como à nobre causa do clima. Não dispensemos os lentos rituais da democracia para implementar uma ‘emergênciocracia’.

A etimologia da palavra emergência é do latim “emergere” que significa “trazer à luz”, subir à superfície. Evitemos, no afã de fazer emergir a gravidade do aquecimento global nas agendas políticas, a submersão da sempre frágil democracia, que todos sentimos ameaçada.

Urgência e consequência na acção climática sim, mas sem atalhos democráticos. Emergênciocracia, não.

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.