A sociedade somos nós

0

Provavelmente já notaste que a maioria das pessoas é crítica em relação ao estado da sociedade. Se calhar também te apercebes que, apesar disso, poucos fazem algo para mudar o que as rodeia. Muitos sentem-se avassalados pelos problemas e desistem antes de começar. Uma minoria avança, mas rapidamente se sente exausta e desmotivada. E a maioria, apesar de rodeada de gente, sente aquela solidão que só se extingue quando alguém não só está ao nosso lado, como está realmente ligado a nós.

Pode parecer uma situação difícil de explicar: porque é que tanta gente que se sente mal não se junta e procura a mudança?

Na verdade é simples. Quando nos sentimos mal, tendemos a isolar-nos e a confiar menos nos outros. Quanto mais tristes, deprimidos ou ansiosos nos encontramos, mais provável é que consideremos os outros como uma ameaça e não como um recurso.

O que acontece quando a maioria das pessoas se sente assim? Não é preciso imaginar, basta olhar à volta.

Quando nos sentimos isolados e tristes, o medo prevalece e altera a nossa forma de tomar decisões. Quando temos medo, focamos-nos em voltar a sentir rapidamente segurança, em vez de a procurar de forma sustentada. Pensamos a curto, ao invés de médio ou longo prazo.

As decisões políticas e sociais que assistimos nas notícias são uma prova disto mesmo. Soluções a curto prazo apenas para alguns, más soluções a longo prazo para a maioria. E violência…

COMO SE CRIAM OS CICLOS DE VIOLÊNCIA

A violência não nasce do nada. Funciona como uma doença contagiosa e hereditária – por isso tão difícil de erradicar -, propaga-se por ciclos, gerando interminavelmente mais violência. Basta pensar no que sentimos e como reagimos quando nos sentimos atacados: o coração acelera, a pressão sobe e a respiração torna-se rápida. Mesmo conseguindo disfarçar, um tremor interno dá-nos o sinal do perigo.

À medida que o espaço e tempo para nos ligarmos e nos sentirmos seguros, foi sendo ocupado por tarefas orientadas para o sucesso individual, as oportunidades para comunicar abertamente rareiam. A consequência, é tornamos-nos emocionalmente iletrados, impedindo a capacidade de expressar e aceitar as emoções de forma saudável, assim como de acolher o outro nos seus múltiplos estados emocionais.

Por não sabermos o que fazer essas manifestações emocionais, desvalorizamos e ignoramos as nossas necessidades emocionais e as dos outros. Elas ameaçam a nossa sensação de competência.

Se não consigo compreender o outro, não consigo cooperar com ele, e nesse caso preciso de competir. Tenho de ser mais e melhor do que ele. Em vez de me sentir mais forte pela sua força, porque ele é um aliado, sinto-me ameaçada por ela, porque ele é um inimigo. A sua força ameaça-me. E a minha a ele.

A violência dos adultos projecta-se nas crianças, criando traumas cada vez mais precoces. Esses traumas funcionam como combustível a mais violência e mais trauma, criando ciclos crescentes e invisíveis. É o caso da desumanização que rodeia o nascimento e a morte. Demasiadas mães e bebés sofrem trauma no parto e saem da maternidade já com esse fardo. Demasiadas pessoas morrem sozinhas e sedadas.

A solidão e violência têm uma rede de consequências a nível individual e colectivo. A nível colectivo guerras, criminalidade, bullying, violência de género, doméstica, no desporto e no trabalho. A nível individual suicídio, depressão, adições, comportamentos de risco e insucesso escolar. É menos conhecida da maioria das pessoas a ligação comprovada à obesidade, tensão alta, diabetes tipo 2, cancro e doenças auto-imunes.

O TRUNFO NA MANGA: TRANSFORMAR CICLOS DE VIOLÊNCIA EM CICLOS DE EMPATIA

O que temos a nosso favor? Somos programados para cooperar. Temos neurónios espelho que existem para que possamos sentir com o outro. São eles que nos levam a comover-nos tanto com a tristeza como com a alegria de conhecidos ou até estranhos. A empatia floresce quando nos sentimos seguros e incluídos. Neste caso o nosso impulso é cooperar e promover a felicidade e o bem estar à nossa volta.

Ao criar espaços seguros onde possamos conhecer-nos através das nossas diferentes histórias, ouvir ou ser ouvidos, podemos reconhecer no outro a nossa própria vulnerabilidade e também a força. Assim, tornam-se óbvias as necessidades emocionais comuns aos seres humanos.

À medida que reconhecemos a violência no dia a dia e o seu impacto em todos, sobretudo nas crianças, mulheres e idosos, a nossa educação emocional aumenta, e com ela a nossa capacidade de nos relacionarmos de forma empática e autêntica. Em conjunto, torna-se possível tomar medidas para interromper a transmissão transgeracional das atitudes violentas e prevenir os traumas precoces.

Quando conseguimos reagir apropriadamente à violência, com empatia e firmeza, criamos pontes entre as gerações, recuperando a integridade perdida do sistema social. A consequência será uma diminuição de todos os tipos de violência, da solidão e do stress e um aumento rápido e significativo do bem estar, pessoas com mais saúde integral, tanto física com mental e emocional.

Parece quase demasiado fácil que a solução seja reabilitar comunidades enfraquecidas e torná-las saudáveis e fortes. Mas não são sempre as melhores soluções as mais fáceis?

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.