Hablamos de nosotras

0
Quadro de Natalia Goncharova

Começo por pegar no título do livro de Sara Barneda que achei brilhante e dar-lhe um pequeno twist. A história baseia-se na consideração de um mundo culturalmente dominado por homens de como as virtudes e liberdade de dezassete mulheres são entendidos como pecados capitais.

Quem  nunca pensou ou falou mal de outra mulher gratuitamente que atire a primeira pedra.

O que é um facto é que este ataque constante a tudo a que as mulheres fazem, ou não fazem, ou se pensa que elas fazem, está impregnado na nossa sociedade, está enraizado em nós mulheres também, é geracional e proveniente do patriarcado.

Sim, hablamos de nosotras e com isto condenamo-nos a nosotras.

É recorrente ouvir mulheres a compararem a sua situação com a de outras mulheres e afiançarem que elas sim, agiram ou agiriam bem numa situação similar e que as OUTRAS é que agem mal.

Começo por exemplificar com um caso conhecido.

Uma mulher, letrada, culta, divorciada, mãe de 3 filhos adultos e avó perante uma situação em que um dos seus filhos se estava a separar referia que a mãe do SEU neto, sua ex-nora, pessoa a quem se presume ter sido tratada por ela como filha, estava a “alienar parentalmente” o SEU filho e como tal entendia que tinha de ajudar o seu filho a vingar-se. Segundo essa mulher a ex-nora foi egoísta e estava a ser uma péssima mãe e que a própria NUNCA agiria como ela pois resolveu, estando desempregada, voltar a viver na sua terra natal regressando para a casa dos seus pais. A actual residência encontrava-se distante da localidade onde vivia com o então seu ex companheiro a 200km e a criança tinha pouco mais de 1 ano. Essa avó afiançava que se iria servir dos seus conhecimentos em Direito, pois é licenciada em Direito, para testemunhar de forma a que o seu filho, Pai, ficasse com a guarda total do seu neto ainda a amamentar. Reforço que essa mulher afiançava que nunca na vida faria tal maldade ao pai dos seus filhos.

No entanto dei por mim a pensar no caso pessoal dessa mulher, mãe e avó. Há alguns anos atrás divorciou-se do pai dos seus 3 filhos quando ainda eram muito pequenos, e regressou para a casa da sua mãe com os meninos que se localizava a mais de 400km da localidade onde vivia o pai e avós paternos dos seus filhos. Segundo ela sempre promoveu contacto com a família paterna pois telefonava de quando em vez e em anos alternados colocava-os no comboio para irem vê-los no Natal, altura do ano que os filhos passaram a detestar. Denoto que há cerca de 30 anos atrás os contactos e deslocações eram bem mais difíceis do que nos tempos que correm. Tentei fazer-lhe ver isso mas essa minha amiga, avó, mãe arranjou sempre justificações “Ah porque eu…” e nunca se conseguiu colocar no lugar da mãe do seu neto.

Isto é um dos inúmeros casos em que “hablamos de nosotras”.

Dando outro caso que me foi dado a conhecer.

Apenas conversei com essa mulher passado alguns anos da situação que descrevo. Segundo ela o pai do seu filho de 9 anos tinha ceifado a própria vida quanto o filho ainda tinha 1 ano porque era esquizofrénico (ainda que nunca tivesse sido diagnosticada essa doença previamente). Segundo ela o seu filho de 9 anos nunca tinha dormido longe dela e tinha amamentado até aos 18 meses. Segundo ela, ainda que tivesse sido ela a requerer a separação, promovia o contacto desse filho bebé com o pai antes do suicídio. No entanto, face à morte do pai dessa criança aos avós e tios paternos depois da perda do filho e irmão não lhes foi permitido ver o neto e sobrinho, única recordação viva. Então a família paterna requereu regulares visitas ao neto recorrendo ao tribunal. Essa mãe, mulher, NUNCA justificou que os deixou ver e que este a degladiar-se em audiências infindas para obviar essas visitas ocorria porque eles “não eram bons”. Toda a família materna se envolveu a depor contra a família paterna pois segundo todos “eles (avós e tios paternos) tinham sido mauzinhos com ela”.

Foi então que nasceu o sobrinho, filho do irmão dessa mulher. Foi também a mãe do seu sobrinho que requereu a separação. A mãe do seu sobrinho, a custo da sua vida pessoal, tudo fez para promover o contacto com toda a família paterna onde ela se encontra incluída, mesmo em detrimento da sua, talvez para compensar o facto de nunca terem vivido juntos. Mas havia algo do qual essa mãe não queria abdicar de dar ao filho, além da estabilidade, amor e conforto, que era o seu leite materno. Ora, a mãe do seu sobrinho, pelo facto do pai tentar sempre obviar isso, “ousou” requerer as responsabilidades parentais convicta que com isto iria cessar o conflito pois tudo ficaria regulado. A partir daí a família dessa mulher, ora designada de família paterna, organizou-se para tirar esse bebé a essa mãe, desestabilizando-a. Desde não entregar o bebé ainda com 9 meses a essa mãe que só soube no dia seguinte ter o bebé ficado a dormir na casa de uma mulher, tia, que amamentava outra filha com 2 meses. Desde o pai, irmão dessa mulher, ir esmurrar e pontapetear a porta da casa da mãe, acompanhado dos seus pais e da GNR para alegadamente irem buscar o bebé que se encontrava sozinho com a mãe em dias que não os combinados. Desde ameaças, difamações, perseguições, devassa da vida pessoal, tudo valia pois o importante era o “filho estar com o PAI”, e a família PATERNA, em condições de igualdade (ou supremacia…) e essa mãe não queria que o sobrinho bebé pernoitasse longe de si.

Não prolongando mais esta história apenas concluo:

Quando essa mulher estava a defender o papel de mãe e essa família a defender o papel de família materna, era importante que a criança pernoitasse sempre junto da mãe, que fosse amamentado pela mãe, e que fosse protegida da “malvada família paterna”, mas quando essa mulher passou a defender o papel de tia paterna e essa família a defender os “direitos do pai”, o importante passou a ser essa família paterna.

Mas essa mulher agiu sempre bem… A mãe do seu sobrinho é que não. A sua família agiu sempre bem… a família do pai do seu filho é que não…

Estas duas histórias envolvem crianças em que a meu ver foram disputadas como objectos de pertença.

É comum assumir que as mães separadas são as maiores “alienadoras” e que todas elas, mal resolvidas e “ressabiadas” querem afastar os filhos dos pais frondosos, ainda que tenham sido as próprias a requerer a separação pois sentem-se frustradas pelo fracasso da relação (apenas atribuído às mulheres).

Mas e depois quando perguntamos, então e tu, foste assim? A resposta é sempre… “Ah eu não, são as outras”.

Mas quais outras?

O mesmo em relação à violência doméstica. As actuais mulheres assumem automaticamente que as ex acusaram os seus maridos falsamente de violência doméstica porque com elas eles são maravilhosos e meigos…. Então essas OUTRAS é que mentem…

No entanto, passado anos é comum ver que afinal o comportamento violento existia…

E agora? Como reparar esse descrédito dado à palavra da outra mulher? Como reparar o descrédito dado a todas nós?

Queria citar ipsis verbis o Ricky Gervais numa frase que adorei e penso que se possa colar a este tema mas não encontro.

Ele referia-a em relação às religiões com ironia. Há milhares de deuses no mundo e milhares de religiões, mas o nosso Deus e a nossa religião é que é o verdadeiro, a dos outros não.

“Mais amor por favor”

Jamais pedir desculpa por centrar as mulheres!

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.