O Anão, Pär Lagerkvist

0

Piccolino é um anão da corte italiana, em plena época da Renascença, e um perfeito do mal. O ar aparentemente inofensivo e débil, tão bem caracterizado por Pär Lagerkvist, esconde o seu lado B: escuro e perverso.

Tantas vezes objecto de brincadeira, até de crianças, o anão vai espiando e tirando notas de todos os adultos e seus comportamentos, tomando parte das conspirações e traições à sua volta. Fiel escudeiro do seu príncipe, muitas vezes é usado para obter informações e segredos. Mestre na arte da camuflagem, o pequeno homem vai alimentando o mal que cresce nele, tornando-se um verdadeiro diabo.

Piccolino vai reflectindo sempre sobre o seu tempo – de fome, guerra e peste. Considera-se o portador de todo o mal dos homens, sendo julgador dos seus pecados e fraquezas. Será o anão uma versão pequena e concentrada da natureza e erros que vivem dentro das pessoas de estatura normal?

É fácil encontrar metáforas nesta notável obra do Nobel sueco, de 1951. Não é à toa que é, ainda hoje, o seu livro mais traduzido e estudado, pela eloquência e humor com que assistimos à degradação dos comportamentos da corte e às pequenas diabruras deste ser abandonado, que vive como bobo, na miséria que o consome. No fim, é ele próprio peça-chave de assassínios e de enormes tramas.

A edição é da Antígona e a tradução de João Pedro de Andrade.

Artigo anteriorAs nossas irmãs curdas
Próximo artigoLítio: toda a corrida ao ouro tem o seu Far West
Avatar
Rodrigo Ferrão nasceu em 1983, é natural do Porto e frequentou o curso de Direito, mas virou a página e foi livreiro alguns anos. Rodeado de livros, dedicou-se à discussão literária através do mundo digital. Não totalmente realizado com o debate, decidiu escrever a sua própria poesia, seguindo-se de outras grafias. Gosta de ler, passear no campo e na cidade, escrever e viajar – não perde uma oportunidade para contar aquilo que vê. Sonha um dia largar o trabalho e ir por aí, divagando como pensa.

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.