Xana Campos | Cities of the World, de Georg Braun e Franz Hogenberg

0

Encontrar este livro foi um privilégio. Não é todos os dias que nos decidimos debater com tamanho volume e cuidada reflexão e edição, para fruir destas cartografias urbanas de cidades que revolucionaram a visão do mundo, nas suas enormes duplas páginas. Uma delícia quase infantil, que espero partilhar, de mergulhos nas suas praças e vielas à época, como pop-ups, resgatando o tempo, que já ninguém tem.

Deixo-me levar por alguém com boa orientação pelas cidades que visito. Estudo-as antes, há um plano ambicioso para o tempo disponível. Gosto de as levar na cabeça sem olhar para um mapa durante os passeios. Quem está comigo que me leve pelas ruas, eu reconheço o que me rodeia, fazemos paragens e refeições recomendadas e genuínas, estudo os gestos, a musicalidade, o ritmo, sou intérprete, na busca de reconhecer uma referência literária ou cinematográfica.

Quero fundir-me, aprender como vivem, como viviam, conhecer artistas de grande nível, trocar ideias e experiências, perseguir ávida, a Arquitectura, a História, e tento uma aproximação à língua, nem que sejam algumas palavras e saudações, mesmo que quase tudo se perca na tradução. Comunicar, intercâmbios e mobilidade são o adn da Cidade, a logística de pessoas e bens, materiais e imateriais, da Cultura erudita, da popular, e das outras todas. Uma centralidade consolidada e densificada ao longo de séculos, milénios.

Cada cidade é única no modo e tempo que a geografia humana do seu povo levou a estabelecer-se numa geografia física, ora facilitadora como o leito ou foz de um rio, ou a proteger-se numa defensiva fortificação tecnológica militar, num sistema de pontos elevados de observação, ou numa combinação de ambas.

As estratégias de progressão da Cidade são a história da sua própria civilização, e sabemos delas tanto quanto nos deixaram os despojos da civilização anterior, pela seguinte, na ânsia de deixar a sua marca e branquear a História, ora a ferro e pedra, ora em registos gráficos escritos e desenhados, tão abundantes quanto a relevância das suas bibliotecas.

A História da Arquitectura e da Arte e os princípios do urbanismo dos centros deste período, 1572-1617, refletem o grau de sofisticação da governança da sociedade, uma Renascença da multidisciplinaridade que concorre para o modo de planear e de representar a Cidade e o Território adjacente com os seus truques de escala quase caricatos desta cartografia inclusa e urbana.

São 363 cidades europeias, asiáticas, africanas e latino-americanas, que revolucionaram o mundo na viragem para o séc. XVII do Modernismo, e Lisboa e Coimbra não poderiam faltar, como centros de produção cultural incontornáveis.

Tem um preâmbulo justo do arquitecto Rem Koolhas, virtuoso e legítimo pensador fora da caixa, que se fez respeitar em todo o mundo, com comissões de escala de cidade, incluindo algumas destas aqui reeditadas. Bons mergulhos.

 

Cities of the World, Georg Braun e Franz Hogenberg. Taschen, 2017. 49,65€

 

MII30998
Xana Campos, arquitecta, doutoranda em Arquitectura.

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.