Yesterday, o filme

0
Capa do álbum Abbey Road, The Beatles.

Qualquer pessoa que goste de The Beatles – é o meu caso: devorava as músicas umas atrás das outras aí quando tinha 10, 11 anos e fiz-me o favor de nunca me libertar de tal pancada musical – não deve deixar de ir ver o filme Yesterday, de Danny Boyle. Já anda por aí há umas semanas, mas fará mal se o considerar old news.

Tentando não fazer spoilers, a ação passa-se num mundo onde não existiram os Beatles nem as músicas dos Beatles (nem dos Oasis, nem o Wonderwall). Um músico parece ser a única pessoa que se lembra das músicas. E vai tocá-las para um mundo que nunca ouviu Let It Be, The Long and Winding Road, And I Love Her, Eleanor Rugby, I Wanna Hold Your Hand, Hey Jude (travestida para um Hey Dude) – e Yesterday e todas as outras.

O filme, não se iludam, é uma daquelas comédias românticas benignas, onde prevalece uma moral certinha e compostinha. Se toda a gente fica satisfeita se o love affair inevitável resultar, já seria mais interessante que na questão da apropriação musical o desenlace não fosse tão bonzinho e tão cliché moralizador. Mas é o que se consegue para estes filmes.

Em todo o caso, como já disse lá em cima, o filme não é para perder em calhando ser apreciador dos Beatles. Tem humor abundante – e inteligente e bem aplicado às personagens e na dose certa. Kate McKinnon, na manager Debra, é malvadamente deliciosa. Eu dei umas valentes gargalhadas. (Também me comovi com as músicas, mas concluo que se chega a uma certa fase da vida e tem-se sorte de ir ver um filme onde não se deixam uma ou duas lágrimas. E não esqueçamos – digo eu à laia de justificação – que as músicas são instrumentos poderosíssimos para evocar memórias emocionais positivas.)

Também passa por alguns pontos curiosos (ainda que não faça deles questões existenciais), como a displicência do público perante grandes músicas quando não sabe que são grandes músicas. Esta particularidade não desmereceria maior profundidade – como adoramos e veneramos aquilo que já foi validado como bom, mas ignoramos exatamente a mesma coisa se não nos tiverem dito anteriormente que é fabuloso mas, ao invés, tivermos de decidir por nós. Uma passagem pelos excessos de policiamento da linguagem – The White Album, garante a empresa de comunicação, tem um problema de falta de diversidade. Tanto mais insólito quanto o músico que canta as canções dos Beatles, Jack Malik (Himesh Patel), é indiano. Um mundo que de repente perde várias das suas maiores referências culturais (e até produtos de consumo) – seria também curioso ir investigar mais as consequências dessa perda.

O filme prefere focar-se na fraude artística de Malik que o atormenta (as suas próprias músicas nunca entusiasmam ninguém), e da injustiça que é o usurpador destronar Ed Sheeran (himself, com aparição no filme representando-se a si próprio) quando ‘compõe’ músicas dos Beatles. (Eu disse que Yesterday, como boa comédia romântica, é moralista.)

Mas, além do humor escorreito e dos vislumbres de paradoxos, o filme tem – é o melhor – a música dos Beatles. As letras deliciosas e divertidas ou, à vez, agridoces (Drive My Car ou Paperback Writer ou Eleanor Rugby ou The Fool on the Hill ou We Can Work It Out, e paro aqui para não escrever umas centenas de caracteres com nomes de canções, são peças literárias em si próprias e ainda acumulam com contar histórias com nexo). Faltam muitas músicas, claro, a algumas alude-se em frases nos diálogos (‘i need the guitar to gently weep’, ‘will you still need me, will you still feed me when i’m sixty four?’ e mais e mais). Mas não é um documentário. E podemos sempre ir ao Youtube ver os videoclips das músicas menos universalmente conhecidas dos Beatles. Além disso, a vida não é só feita de belíssimos filmes negros e medianamente depressivos. No verão os filmes leves com boa música caem bem.

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.