Os homens que nos “ensinam” a ser feministas

0
Cartoon da The New Yorker, 28 de março de 2019

Men explain things to me” (os homens explicam-me coisas), escreveu Rebecca Solnit, onde conta o episódio revelador e caricato de ter sido presenteada com uma explicação sobre um livro do qual era autora. Solnit, (a quem é com frequência, erradamente, atribuído o termo mansplaining), retrata a experiência tão comum às mulheres de sermos, em ocasiões e contextos tao diversos, condescendentemente ensinadas por interlocutores masculinos sobre assuntos que dominamos. Os homens explicam-nos coisas, afinal. Por que não haveriam de explicar-nos como ser feministas?

Homens que demonizam feministas estão, à partida, denunciados, transparentes na sua misoginia. E há, não tenho dúvidas, muitos aliados que estão efetivamente connosco, e cada vez mais exemplos felizes de homens que desafiam a masculinidade que lhes foi imposta – não é deles que falo aqui. Mas há também, ao mesmo tempo, homens camuflados de aliados, dentro dos mesmos círculos, defensores da mesma causa, vocais e ostensivos no seu apoio. Homens à partida insuspeitos, nossos pares, que circulam nos mesmos meios e de quem estou politicamente próxima. Homens que do alto da masculinidade que os protegeu sempre da violência endémica a que nenhuma mulher escapa, em menor ou maior grau, e que vêm sem pudor disciplinar-nos o discurso – ora condescendentes no tom, ora assertivos nos rótulos com que nos sinalizam como más feministas: nós, “putofóbicas”, se nos posicionamos contra o sistema prostitucional; nós, “bioessencialistas”, se ousamos nomear o sexo como raiz da opressão das mulheres. (ou, dito de outra forma, se ousamos nomear o sexo como raiz do sexismo). Homens em permanente exercício de mansplaining sobre o que é o feminismo – ou, a limite, sobre que é ser mulher. Homens que, em tempos de retrocesso tão grotesco como o de Alabama, têm a altivez de nos ensinar o que é, afinal, uma mulher. Homens ditos feministas, de aparência progressista, que repetem à exaustão fórmulas intelectualizadas como “o corpo é uma construção social” e “o sexo é tão construído como o género”.

Homens que não sabem o que é ser tocada por um desconhecido, pela primeira vez, com onze anos num autocarro; ouvir o primeiro piropo quando ainda somos pré-adolescentes – e ouvir tantos, nos anos que se seguem, que normalizamos o assédio como ruído. Que não sabem como é ser adolescente num ambiente hostil em que diariamente nos comentam as mamas; em que somos rotuladas de putas ou púdicas quando ainda mal demos o primeiro beijo. Que não sabem como é perceber que a menstruação é considerada suja, grotesca ou anedótica quando ainda nem a tivemos. Que não cresceram a perceber cedo que a rua não é nossa, que o nosso corpo é lido como um convite ao comentário brejeiro ou hostil, e em que tudo nos ensina o nosso lugar. Que não sabem como é crescer, apenas por ser mulher, numa geografia do medo: todos os dias evitar caminhos, automatizar respostas e comportamentos (lembro-me de, durante anos, ligar ao meu pai todas as noites depois de sair do metro, simulando uma chamada com alguém próximo). E perceber mais tarde que o medo e os mecanismos de segurança que sempre tivemos na rua não evitam, afinal, que nos brutalizem na cama, na intimidade com alguém que amamos.

Não sei, não posso e não pretendo falar por todas as mulheres – nenhuma de nós poderia. Mas sei e posso falar enquanto mulher; falar da minha experiência de ser pessoa sendo sempre mulher – e por isso mesmo, da minha experiência enquanto alvo de sexismo. Não sei, por exemplo, o que é ser uma mulher negra num país estruturalmente racista como o nosso; sei que a cor da minha pele sempre me protegeu de formas sistémicas de preconceito, abuso e discriminação. Não sei o que é ser alvo de racismo: posso – devo – ouvir e aprender sobre o meu próprio privilégio, perceber como beneficio dele todos os dias. Posso – devo – desconstruir o racismo em que fui socializada e que certamente não erradiquei, e reagir quando o vejo explícito ou encapotado. Mas seria obviamente inaceitável que alguém nesta posição de privilégio se imiscuísse na luta antirracista de forma a falar mais alto do que os sujeitos de experiência, e que pretendesse corrigir ou disciplinar a forma como se organizam e manifestam. Que isto seja evidente quando falamos de racismo, mas totalmente opaco quando falamos de feminismo, é incompreensível.

Não sei como chegámos aqui – suspeito que a crescente obnubilação do termo “direitos das mulheres” pela mais politicamente palatável “igualdade de género”, e a repetição de expressões aparentemente inclusivas como “o feminismo é para toda a gente”, fizeram parte do caminho. Afinal, falar em igualdade de género permite que todos/as tenhamos uma palavra a dizer nessa visão igualitária, que arreda as mulheres do centro do seu próprio movimento.

Posso, novamente, falar apenas por mim: todos os aliados são bem-vindos. A luta será ganha mais depressa se unirmos esforços. Comecem por vocês: desconstruam o vosso próprio privilégio, desmontem a vossa própria masculinidade (e isso implica, por vezes, que fiquem em silêncio). Usem o vosso espaço e militância para sensibilizar outros homens. Intervenham, denunciem a violência contra as mulheres. Não sejam cúmplices. Utilizem o vosso capital mediático, a vossa plataforma e visibilidade, quando existem, para se posicionarem contra a toxicidade da masculinidade que vos é imposta e que também vos agride. Mas, por favor, não usem o vosso privilégio para falar ainda mais alto sobre nós, os nossos próprios corpos e direitos, para nos policiar o discurso e ditar como devemos organizar-nos. O feminismo não pode ser apropriado como mais uma forma de privilégio masculino. Se usam o vosso espaço, poder e privilégio para nos ditar como ser feministas, podem até estar bem-intencionados, mas fazem parte do problema. Machismo maquilhado de progresso é, afinal, ainda machismo.

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.