Pessoas que NÃO defendem a Vida

0
Imagem de Isabel Santiago.

Defender a pena de morte não é defender a Vida.

Quem não defende cuidados de saúde de acesso universal às populações, independentemente do nível de rendimento, não defende a Vida.

Defender a inexistência de programas sociais que apoiem as crianças pobres não é defender a Vida.

Defender a liberalização da propriedade e do porte de armas, exigir o fácil e rápido acesso à compra de armas (sabendo-se o resultado em número de mortes das sociedades onde as armas existem com abundância e de disponibilidade de aquisição descomplicada) não é defender a Vida.

Defender a existência da indústria de armamento (no mesmo patamar moral de qualquer outra atividade) económica não é defender a Vida.

Vender armas para países em guerra não é defender a Vida.

Promover conflitos armados, ou apoiar quem os gera, não é defender a Vida.

Defender a pobreza feminina (e das crianças a cargo das mulheres), através da promoção do status quo que remunera menos o trabalho feminino e a permanência das mulheres nos escalões mais baixos da pirâmide do mercado laboral, não é defender a Vida.

Desconsiderar, ou mesmo atacar e apelidá-las de mentirosas, as vítimas de violência sexual e de violência doméstica não é defender a Vida.

Manter por todos os meios os constrangimentos legais e jurídicos que impedem a perseguição e condenação de violadores não é defender a Vida.

Apoiar regimes e países que atropelam os direitos humanos dos seus cidadãos não é defender a Vida.

Defender o encarceramento massivo de cidadãos (como nos Estados Unidos) não é defender a Vida.

Defender a inexistência de educação sexual obrigatória com informação que impeça gravidezes – e, sim, diminua o número de gravidezes indesejadas e abortos – não é defender a Vida.

Defender os constrangimentos no acesso a contracetivos – sendo que a contraceção, novamente, diminui largamente gravidezes indesejadas e possíveis abortos -, que a administração Trump e os republicanos têm tentado ufanamente implementar, não é defender a Vida.

Defender que a vida de uma mulher não vale nada, defender que uma mulher é uma coisa com fins reprodutores sem a dignidade que merecem os seres humanos, como fazem as criaturas horripilantes que nem em situações de risco para a vida e saúde da mãe contemplam o aborto, não é defender a Vida.

Defender que uma mulher que foi violada deve ser ainda mais destruída – na verdade morta, mesmo que continue a respirar – contendo dentro do útero o rebento da violação durante a gravidez e parindo o filho de quem a violou, não é de certeza defender a Vida.

É tempo de assumirmos que o que está em causa nas recentes ignomínias legislativas no Alabama, no Texas e com tentativas noutros lados, promovidas pelo inevitavelmente errado Trump, não tem nada a ver com defesa da Vida. Tem a ver com ódio às mulheres, ataque às mulheres e, sobretudo, um ataque visceral à liberdade sexual e reprodutiva das mulheres. Porque quem defende um, ou vários, dos pontos dos parágrafos acima com toda a certeza não defende a vida, com ou sem V maiúsculo. E não tem moral absolutamente nenhuma para falar dos malefícios do aborto.

O aborto nos Estados Unidos é um pavor, com abortos feitos demasiado tarde em estados muito avançados da gravidez. Mas a selvajaria de um lado não desculpa a selvajaria do lado contrário.

O que de resto é visível na forma como colocam todo o ónus do aborto nas mulheres. Ah, são as mulheres que têm a obrigação de estarem à altura das consequências dos comportamentos que livremente tiveram. Mas os homens não têm de estar à altura de não terem cuidado de usar preservativo para impedir uma gravidez. Claro que não. Era o que faltava exigirmos aos homens que sejam responsáveis pelos seus atos. Ora, os homens não são mulheres, os homens são seres que merecem respeito.

Em Portugal, quando se discutiu a despenalização do aborto em 2007, várias pessoas (incluindo o atual Presidente da República e muitos outros católicos) propuseram um meio termo: simplesmente retirava-se do código penal o crime de aborto. Era uma proposta estranha (não tinha limite de semanas, por exemplo), mas era compassiva: percebia que a maioria das mulheres não aborta por motivos levianos e que, mesmo considerando o aborto um mal, a sociedade afirmava que não quereria acusar e penalizar a mulher. Esta posição de vários católicos portugueses está a anos-luz do que atualmente se passa na diabolização de mulheres dos que se dizem cristãos, como se vê nas penas pesadas que se querem aplicar às grávidas que abortam.

A transformação em animais parideiros é de tal ordem que nos Estados Unidos ganha volume, nos círculos alucinados, o argumento de que os homens que fornecem o esperma para uma gravidez não desejada devem ter a sua vontade levada em conta – isto vindo de pessoas que consideram que a vontade das mulheres é irrelevante. Então: tem sexo com uma mulher e ganha poder sobre o corpo dela caso resulte gravidez. O que se passa com o corpo de uma mulher não é decidido por ela mas pelo homem com quem calhou ter sexo. Como se pode conviver com pessoas que defendem esta escravatura de mulheres? Preocupam-se com possíveis filhos? Bom, contratualizem esta eventualidade antes de terem sexo (ah, e boa sorte para o sexo eventual a seguir à conversa ‘não vou usar preservativo mas vou obrigar-te a ter o rebento se engravidares’). Ou, melhor, usem preservativo ou façam uma vasectomia.

Conheço várias mulheres que abortaram, algumas delas são minhas amigas e de quem gosto muito. Não há uma única que não seja moralmente superior a esta gente com ódio às mulheres que diz que ‘defende a vida’.

 

 

 

 

Artigo anteriorA uniformização europeia é má e perigosa
Próximo artigoOs homens que nos “ensinam” a ser feministas
Maria João Marques
Mãe de dois rapazes e feminista (das duas características conclui o leitor inteligente que não quer exterminar os homens da face da Terra). Licenciou-se em Economia ao engano, é empresária, mas depois encarreirou para os Estudos Orientais, com pendor para a China. É cronista do Público e escreve ocasionalmente ensaios sobre livros e leituras na Ler. Já foi blogger e cronista do Observador e Diário Económico. Considera Lisboa (onde nasceu e vive) a cidade mais bonita do mundo, mas alimenta devaneios com Londres e Hong Kong.

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.