‘As longas noites de Caxias’, para ler hoje

0

O novo livro de Ana Cristina Silva apresenta-se como um romance. ‘As longas noites de Caxias’ acaba de ser lançado pela Planeta em cima da data que assinala, também, o fim da tortura avalizada pelo Estado português, nas prisões do País. Apesar de ser um romance, a autora avisa numa nota lateral que o texto se baseia “em factos verídicos. No entanto, nomes e situações foram ficcionados”.

Ana Cristina Silva compõe a narrativa em torno de duas mulheres:  Laura é quem nos aparece primeiro, no momento da sua captura pela PIDE, e aos olhos desta personagem e dos leitores vai surgindo sub-reptícia Leninha, a agente da Polícia de Internacional e Defesa do Estado, cada vez mais forte, cada vez mais hedionda.

A tortura é explanada no romance e esta versão ficcionada corresponde aquilo que vemos e ouvimos descrito em filmes documentais como os de Susana Sousa Dias, em visitas a prisões musealizadas como Peniche ou o Tarrafal, como ainda se escuta de viva voz dos dissidentes das ditaduras – a portuguesa, a brasileira, a espanhola. A prisoneira Laura foi ameaçada, insultada, despida para ser humilhada, colocada numa cela solitária dias a fio, espancada.

“Laura tinha feito frente ao agente, provocara-o, e ele estava furioso. Deu-lhe dois murros na cara e depois agarrou no cassetete e desatou a bater-lhe de forma metódica. O bastão caía sobre os seus braços e pernas. Batia e batia para lhe dar uma lição. Mesmo no meio de uma dor intensa, ela não procurou defender-se nem se enrolou no chão.”

Do outro lado da barricada está Leninha, uma mulher com uma vida normal para a época: casada, com um filho, um marido com uma amante e dois filhos, uma mulher polícia, agente da PIDE, perfeitamente integrada na sociedade. Leninha é também a grande torturadora de Caxias, aquela que mais mulheres quebrava, a que nunca conseguiu vergar Laura. E é, também, uma exímia torturadora porque tira prazer do sofrimento que incute nos outros.

O período temporal retratado em ‘As longas noites de Caxias’ ultrapassa o fim da ditadura. Em 1977 vemos Leninha na barra do Tribunal Militar, a ser julgada pelos crimes de tortura e a sorrir enquanto Laura depõe.

“O seu testemunho trouxera-lhe uma espécie de vitória retrospectiva, sentindo-se agradada por as suas acções terem marcado Laura, deixando nela um rasto de angústia permanente. Vendo-se como que a través de um espelho, imaginava-se a chamar-lhe cabra como noutros tempos.”

Apesar de a sentença descrever a chefe de Brigada da PIDE como perversa e dos factos se darem como provados, Leninha acaba por ter uma pena de prisão de dois anos e meio, dois dos quais já estavam de resto cumpridos, num período de preventiva. Laura sente que tem um fantasma a assombrá-la para sempre. Em 2003, quando Leninha está a morrer de cancro dos ovários, uma amiga pergunta-lhe se tem remorsos do que fez em Caxias.

“A resposta foi inequívoca e imediata: «Não, nunca me arrependi de nada. Os tempos da PIDE foram os mais felizes da minha vida»”

Desequilíbrio. É a sensação mais permanente que este livro deixa. Uma sociedade apoucada pelo medo dá lugar a outra que, aparentemente, não tem medo de nada, nem dos agentes do Estado Novo que integra e a quem dá “uma reforma justa”. A agente sente-se injustiçada porque “defendíamos o país” e não há espaço na cabeça de Leninha para, pelo menos, rever os atos cometidos à luz da democracia que a acolhe e lhe dá sustento.

‘As longas noites de Caxias’ é um importante texto da ser lido pelos que vivem hoje em democracia, em Portugal. Este e outros documentos que venham a ser dados ao prelo são fundamentais para que não se tente branquear a verdade histórica, nem se tente regressar ao passado o que, como vemos em Espanha por estes dias, não é necessariamente difícil que venha a acontecer.

 

longas noites2
As longas noites de Caxias, Ana Cristina Silva, Planeta, €16,95
Artigo anteriorA perda da identidade da vítima
Próximo artigoMyanmar, a tatuagem invísivel e a tanakha
Avatar
Carla Macedo nasceu em 1979 e nem acredita que já passou tanto tempo. É jornalista desde 2001, feminista desde os 8 anos, quando teve uma epifania na missa. Esteve envolvida na criação do site Delas.pt, do qual foi editora executiva até ao verão de 2018. Conduziu entrevistas na rádio TSF a mulheres que se destacam em diferentes áreas, no programa Conversas Delas. Na LuxWoman, foi chefe de redação, na Máxima Interiores, também. Colaborou com a Evasões, a Volta ao Mundo (sim, sim, adora viajar!), a Notícias Magazine, a Sábado e muitas mais. Fez televisão para uma produtora, mas os programas nunca foram para ar – danos colaterais da crise! Licenciou-se em Línguas e Literaturas Modernas, começou no jornalismo numa revista de carros, a Frota, ainda antes de acabar o curso, fez o CENJOR e depois um curso de Jornalismo Multimédia. É casada. Tem dois filhos, um rapaz e uma rapariga. Igualdade em casa é coisa que não falta.

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.