Uma Viagem à Índia, Gonçalo M. Tavares

0
Uma Viagem à Índia, de Gonçalo M. Tavares - Editorial Caminho
A Índia é um país grande. Não pela
extensão mas porque é antigo. O tempo, num
país inteligente, é a extensão mais significativa.
Milhares de metros quadrados ocupam, em teoria,
uma superfície importante.
Também o número de andares dos edifícios
é facto bem visível das janelas dos aviões.
Porém, é a História de um país
que dá a intensidade da ligação da árvore à terra.
E cada país é uma árvore.


(in n.º 17, Canto VII)

Não dá para imaginar, de forma clarividente, o que vai Gonçalo M. Tavares escrever nas histórias que conta. Os títulos que escolhe não deixam antever o que depois relata.

Este foi o meu erro. Julguei que íamos permanecer bastante tempo na Índia. Empurrado pelos livros que li deste país enorme, como O tigre Branco de Adiga ou Siddhartha de Hesse, imaginei um romance com uma grande dose de espiritualidade, de auto-conhecimento, de busca interior.

É talvez esse o objectivo de Bloom, personagem central da narrativa. É inegável que parte à busca de respostas, de pacificar a sua alma, pagar pelos crimes que cometeu.

No entanto, e aqui a surpresa, volta rapidamente à partida. Aliás, arriscou-se a não regressar e a única recordação que traz é um livro antigo. Dos males que procurava curar, nada sarou.

Deixo no ar a possibilidade, inclusive, desta personagem ter chegado a Paris ainda mais maléfica e profundamente melancólica.

Este livro é supremo. Não é por acaso que fui tirando várias anotações ao que nele se escreve. O grande trunfo de Tavares não é contar uma história épica, mas criar uma personagem que dificilmente se esquece.

E é Bloom, meu novo herói literário, que, no meio das suas paranóias pessoais, nos põe a pensar nas inúmeras questões em redor do mundo, na condição e limitação humanas, na procura de respostas às perguntas difíceis.

Gonçalo M. Tavares cria o protagonista por excelência. Carregado de dúvidas, com uma enorme tendência para o tédio, não muito seguro do que procura, fugitivo dos pecados que comete, sem capacidade para responder imediatamente.

E daí sai toda uma nova filosofia. Uma viagem à Índia é, afinal, uma longa caminhada pelo génio do escritor. O que pensa, o que dá a pensar. Não é qualquer um que consegue escrever uma história assim: sem grande elenco, forma muito pausada e, ao mesmo tempo, num estilo de epopeia.

Este livro confirma aquilo que já suspeitava do autor: estamos perante um caso sério de literatura mundial. Atesta, igualmente, um estilo e um modo de estar muito próprios. Qualquer dia corremos o risco de adjectivar esta presença do escritor, imortalizando o seu nome, endeusando a sua obra.
Artigo anteriorApagar as mulheres (parte 2) nas artes
Próximo artigoNão, Notre Dame não era do clubismo cristão
Avatar
Rodrigo Ferrão nasceu em 1983, é natural do Porto e frequentou o curso de Direito, mas virou a página e foi livreiro alguns anos. Rodeado de livros, dedicou-se à discussão literária através do mundo digital. Não totalmente realizado com o debate, decidiu escrever a sua própria poesia, seguindo-se de outras grafias. Gosta de ler, passear no campo e na cidade, escrever e viajar – não perde uma oportunidade para contar aquilo que vê. Sonha um dia largar o trabalho e ir por aí, divagando como pensa.

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.