Ler livros é incontornável. A propósito de contos eróticos do princípio dos tempos.

2

Aqui fica uma sugestão de presente de Natal para quem ainda tem uma ou outra compra para fazer (ou todas!). Dar um livro é sempre um presente especial e, se os livros sempre foram imprescindíveis, arriscaria afirmar que nesta estranha segunda década do século XXI vivemos num momento particularmente necessitado de livros. Em tocando à leitura de livros, todos os tempos são iguais mas uns são mais iguais que outros – isto para citarmos livremente esse autor que escreveu sobre outros tempos problemáticos, George Orwell. Porquê particularmente necessitados, pergunta a leitora ou o leitor? Bom, num tempo de redes sociais, de leituras de poucas linhas de tuites ou de posts do facebook, de notícias falsas ou incompletas ou alarmistas (sempre escritas de forma básica e curta, a ver se não se notam os defeitos), é cada vez mais importante a leitura de raciocínios e narrativas prolongados. De histórias que tenham nuances e nos interpelem e, por vezes, nos incomodem e desafiem. Que nos coloquem nos sapatos dos outros. Que espicacem a nossa imaginação. Que nos ponham em contacto com a ironia, as hipérboles, os paradoxos – e nos ensinem que apreender a literalidade das palavras é diferente de ler. Tudo isto só é possível com bons produtos literários – também chamados livros.

Acresce que a leitura de ficção nos treina essa capacidade relacional tão importante: a empatia. Várias pesquisas já demonstraram que quem costuma ler ficção tem melhores capacidades sociais. É oficial: ler torna-nos melhores pessoas. (Ah, e se precisamos de boas pessoas.) Mais: ler livros também nos permite conhecer em profundidade realidades diferentes da nossa. Sejam outros países, backgrounds sociais, regiões, religiões ou tempos históricos. Em se tratando de História, a utilidade torna-se estratosférica. Não conseguimos compreender o presente sem conhecer o passado, as tendências do passado, os fenómenos cíclicos. Ponto. A quantidade de pessoas que se ouvem e lêem por aí que, ignorantes, tomam algum evento ou facto do presente como algo como se fosse novidade absoluta, sem perceber que faz parte de uma corrente que o liga a um passado quiçá até muito distante, é risível – e preocupante.

Desta feita sugiro Deana Barroqueiro, com Contos Eróticos do Velho Testamento. Junta a ficção e o tal conhecimento histórico que nos faz falta. Aconselha-se ainda mais a quem tenha interesse por estes tempos da antiguidade clássica e pré-clássica. O nome não esconde o objeto do livros: as relações ficcionadas (mas quem conhece a realidade?) dos pares amorosos (voluntários ou forçados) das histórias bíblicas do Antigo Testamento.

São contos eróticos, pelo que Deana Barroqueiro nos mostra tempos permeados por uma sensualidade explícita e abundante. Frequentemente violenta para as mulheres, também. Em boa verdade, começando nos tempos dos nómadas do Crescente Fértil, eram tempos violentos e bárbaros e as mulheres, fisicamente mais vulneráveis, as vítimas mais fáceis. Por vezes é desconfortável ler os Contos – como na perseguição a Agar (a segunda mulher de Abraão) e na violência que Sara, a primeira mulher, usou para a punir; ou na violação de Adah, oferecida aos adoradores de Belial para salvar o frio e seco marido.

Há também (ufa) contos que mostram o poder das mulheres – ou, pelo menos, o poder que as mulheres conseguiam usar nestas circunstâncias e tempos inquinados onde ordenavam os mais fisicamente capazes e fortes. A história de Ester e Xerxes da Pérsia. O conto trágico-doce de David, Abisag e Betsabé. A ardilosa Dalila que destrói o cruel e brutal Sansão (mas, no meio de tudo, quem lhe leva a mal?). E – para mim o conto mais delicioso – esse encontro de iguais que foi a paixão entre a Rainha de Sabá e Salomão.

Contos Eróticos do Velho Testamento tem prefácio de Maria Teresa Horta. É editado pela Planeta e ao longo de 422 páginas (incluindo uma bibliografia) lemos sobre tempos em que a sexualidade era assunto sério a que todos se dedicavam como e quanto podiam. Como hoje, no fundo.

2 COMENTÁRIOS

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.