Estes partidos e a justiça como coveiros da democracia

0
Imagem de Isabel Santiago.

Os actuais partidos e a justiça andam a brincar com o fogo, ao não assumirem a necessidade de uma forte luta contra a corrupção, estando a abrir caminho a partidos políticos inimigos da democracia

Na semana passada, dei uma aula, como convidado, numa universidade de Lisboa, que pretendia responder à seguinte pergunta: foi a entrada no euro que nos trouxe a estagnação? Adianto já que a minha resposta é: não, foi a péssima preparação que fizemos para entrar, em especial a partir de 1995.

Fiquei impressionado por duas perguntas que os alunos fizeram. Um angolano mostrou-se chocado que um país com Portugal, com uma história com tantas feitos dignos de registo, tivesse, hoje, uma atitude de tanta subserviência face aos estrangeiros e que esperava que o nosso país fosse capaz de dar muito mais ao mundo.

Mas a outra pergunta, dum aluno português, foi a mais reveladora. Questionou-me ele que, dado que os actuais partidos eram tão incompetentes a gerir a economia e tão corruptos, se a solução não estaria num partido fascista.

Em primeiro lugar tenho que dizer que fiquei com a sensação que a única pessoa na sala que ficou chocado com a pergunta fui eu, todos os outros a encararam com naturalidade.

Em segundo lugar, é preciso registar que ele poderia ter escolhido outras formulações, mais benignas: um partido “nacionalista”, “patriota”, de “extrema-direita” ou outras, mas que não teve qualquer pejo em descrever a alternativa como “fascista”.

Respondi-lhe que estava a fazer duas perguntas, e que as responderia separadamente: 1) existem alternativas aos actuais partidos? 2) a melhor alternativa é um partido fascista?

A resposta à primeira pergunta era claramente “sim” e até havia muitos novos partidos que se perfilavam para concorrer às próximas eleições legislativas.

Em relação à segunda pergunta, disse-lhe que, para ser fascista, esse partido teria, no mínimo, de defender o nacionalismo e o proteccionismo. Assim, deveria defender a saída do euro para recuperar a soberania monetária e a saída da UE, para poder aplicar o proteccionismo. Ora, um programa desses equivaleria a um Brexit elevado ao cubo, o que seria uma calamidade económica, certamente o oposto do pretendido.

Como estávamos numa aula de economia, não me referi aos aspectos políticos do fascismo. Antes de prosseguir, gostava de sublinhar que, quer o nacionalismo (incluindo limites à imigração) quer o proteccionismo não colidem com a democracia, sendo perfeitamente integráveis no debate democrático. Pode-se concordar ou discordar destas ideias, mas elas não colocam em causa a essência da democracia.

A característica política maior do fascismo é ser anti-democrático. Provavelmente por ignorância, ele nem sequer defende o fim da democracia, mas é sintomático que não tenha qualquer pejo em usar esta designação.

Em conversa posterior com amigos, fiquei a saber que há cada vez mais pessoas que defendem mesmo que se acabe com a democracia, para pôr o país na ordem e acabar com a corrupção.

Não interessa aqui debater a ilusão destas pessoas (como se o fascismo fosse um regime santo), mas antes tomar consciência de que o que se passou na Andaluzia não está assim tão longe da realidade portuguesa.

Parece-me óbvio concluir que os actuais partidos e a nossa justiça andam a brincar com o fogo, na forma displicente com que andam a tratar a corrupção. Como nos revelou a anterior PGR, sem surpresa para os mais atentos, não há uma estratégia nacional de combate à corrupção.

Estou firmemente convencido que a incompetência (e outras características que a prudência me impede de explicitar) da justiça portuguesa é altamente responsável pelo sentimento de impunidade dos nossos corruptos e de que tivemos o décuplo de corrupção da que o teríamos tido se a nossa justiça cumprisse o mínimo do mínimo dos mínimos.

Se continuarmos por este caminho, bem podemos ficar com a democracia em risco.

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.