Alice, Maria João e Ricardo no país das maravilhas

0

Esqueçam a festa homónima na discoteca Lux de há uns anos! Maria João Luís e Ricardo Neves-Neves querem arrasar Lisboa com uma versão de Alice no País das Maravilhas que promete ser uma peça de teatro para um mergulho na toca de coelho mais famosa, com a protagonista deste romance-maravilha. Uma produção com quatorze atores e uma orquestra. Cenários e figurinos cuidados.

Centrado na época vitoriana, com os seus constrangimentos sociais e políticos, Alice no País das Maravilhas desafia convenções e formas de escrever vigentes na época. Originalmente escrito em 1865 pelo inglês Charles Lutwidge Dodgson, sob o pseudónimo Lewis Carrol, Alice no País das Maravilhas renasce na sala Garrett do Teatro Dona Maria II, no virar do ano – ou seja, de 27 de Dezembro a 6 de Janeiro, já de 2019. A Capital Magazine falou com a dupla de encenadores que ataca o texto, sendo que Ricardo Neves-Neves fez a adaptação, e pôde confirmar um ambiente muito divertido no camarim de onde nos telefonaram –  conforme combinado – e contaram um pouco da sua relação, à vez e ao mesmo tempo. “Sim conhecemo-nos através do Jorge Silva Melo [Artistas Unidos], eu estava a fazer um espectáculo, e sim, temos o Jorge como padrinho da nossa relação. Adorei a ‘Batalha De Não Sei Quê’,  fiquei encantada com a simplicidade com que o Ricardo fazia aparecer a novidade no campo da dramaturgia. Descobri que ele descobre uma coisa muito simples mas muito profunda, a relação das pessoas umas com as outras. Abordei o Ricardo para fazer o ‘Conto de Natal’ de Charles Dickens. E ambos temos o gosto comum pelo absurdo!” explica Maria João Luís, atriz – também nesta peça – e encenadora que se mostra bastante entusiasmada com o projeto. É, aliás, a ligação ao absurdo, ao surrealismo e ao nonsense que unem os mestres deste espetáculo, Ricardo Neves-Neves no Teatro do Eléctrico (Lisboa – a nossa sede era na Amadora, mas desde 2015 que temos a sede nas Gaivotas, em Lisboa) e Maria João Luís no Teatro da Terra (Ponte de Sor).

O que é mais importante reter desta história de Alice é que “através da adaptação, e falei muito com a Maria João, queríamos fazer a Alice do Lewis Carrol da época vitoriana, deixando em aberto as várias possibilidades que o livro deixava. Escrever quase como se fosse o Lewis Carrol, passo a pretensão. Personagem importante e inspiradora, simbolicamente para o ser o humano e o nosso interesse para a pessoa que está ao nosso lado, a curiosidade, a observação (em relação ao coelho por exemplo), a forma de pensar e lidar ainda muito fresca para os dias de hoje” diz Ricardo. Relativamente ao que poderá encontrar o espectador quando for ver a peça pode-se falar de “uma possibilidade de voarem um pouco num ambiente poético” segundo Maria João Luís. Ainda segundo a encenadora, e questionada sobre uma certa contenção a propósito de uma certa ideia pré-concebida de que o espetáculo seria technicolor, Maria João Luís avançou-me: “põe technicolor nisso!!”

A equipa é gigante, o espetáculo é promissor, e a Capital Magazine aconselha a compra de bilhetes atempadamente. No Teatro Nacional Dona Maria II.

Artigo anteriorE se tivéssemos crescido como Espanha?
Próximo artigoColetes amarelos, cartão vermelho a Macron
Avatar
Depois da licenciatura em Ciências da Comunicação, seguiu para Londres à procura de mais jornalismo. Tirou uma pós-graduação em Fashion and Lifestyle Journalism no London College of Fashion, University of the Arts London e, ao mesmo tempo, colaborava com as revistas LuxDECO, Lux e Única do Expresso. Tirou tempo para se dedicar ao desporto e voltou no site Rua de Baixo e agora na Capital Magazine.

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.