Guia de sobrevivência em Macau

0
Imagem de South China Morning Post.

1. Na China, sê chinês

Aterro em Macau e descubro a aventura radical que consiste em atravessar numa passadeira de uma rua para a outra. O trânsito é caótico, os carros não respeitam as passadeiras, e, para cúmulo, conduzem à direita, um português olhar para o lado errado da estrada é o que basta para ficar espalmado no alcatrão. Percebi claramente que era necessário criar uma técnica de sobrevivência e usei o que estava mais à mão – chineses. Ao chegar a uma passadeira escolhia o grupo de chineses mais bem composto em termos numéricos, furava à cotovelada até ao centro do grupo e só atravessava quando eles avançassem, o que às vezes era quando menos se esperava, vinham três carros a grande velocidade e eles, cá vai disto, passadeira adiante como se nada fosse. Portugueses aconselham-me a ser confiante, a impor-me ao trânsito para atravessar a estrada. Eu prefiro guardar a minha confiança para outras paragens e manter o corpo intacto, coisa que dá jeito para viver. O que é certo é que o meu escudo humano composto de chineses confiantes salvou-me várias vezes de morrer em Macau.

Deve ter sido quando me queixei do trânsito maníaco que me explicaram o sistema chinês na estrada. Se atropelarem uma pessoa, e ela sobreviver, o mais certo é o condutor voltar atrás e matar a vítima. É que na China o condutor do carro será responsável pelos cuidados hospitalares da vítima de forma vitalícia. Exacto, para o resto da vida. Posto isto é fácil compreender que muitos decidam matar as vítimas, pagar o funeral, uma compensação à família e está destacado o assunto. Para todos os efeitos não será um assassinato mas um acidente de viação. Calma, e se houver testemunhas? Se a vitima sobreviver e o condutor fugir, se for auxiliada será quem assistiu a vitima o responsável pelos cuidados médicos até ao fim da vida. Nestas condições é normal ninguém auxiliar e ficar tudo a assobiar para o lado. É nesta altura que percebo a confiança dos chineses nas passadeiras, podem conduzir os carros como loucos mas ninguém quer ficar responsável por despesas medicas para a vida.

Volto a protestar que esse sistema é insane e respondem-me “Ah, mas em Macau é diferente. Isso só acontece na mainland”, que é como quem diz, na China profunda. Fico mais descansada. Mas depois acrescentam que em Macau só tenho de ter cuidado a conduzir porque os chineses atiram-se para cima dos carros para serem atropelados e terem o “seguro de saúde” vitalício. Mau, como assim? “Ah, é muito normal isso acontecer. Por isso os carros têm câmaras para filmar essas tentativas de ‘atropelamento’. Mas não te preocupes, faz como eles e corre tudo bem”. Ou seja, não vale a pena lutares contra o sistema, o sistema dá cabo de ti de uma maneira ou de outra.

Resta acrescentar que o português, residente em Macau há sete anos, que me explicou a parte dos falsos atropelamentos, já foi multado em 300 patacas (30 euros) por atravessar uma estrada fora da passadeira. Perante tudo o resto, é capaz de fazer sentido.

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.