Hip To Da Pop: Crónica de uma antestreia feliz.

0

Em representação da Capital Magazine fui convidada para a antestreia do documentário Hip to da Hop, dos realizadores Fábio Silva e António Freitas. 

No âmbito do festival FNAC LIVE, o espectáculo contou com as actuações do guitarrista Bruno Soares, dos DJ’s e produtores Strolinflows e, para finalizar o warmup, com o grupo de breakdance SilabnJayFella. A animação estava já garantida e o que se seguiu não desapontou. Com os primeiros takes marcantes dos prédios da cidade recortados pelo céu azul, o documentário começa – e bem – pela cidade-berço de alguns dos maiores vultos do Hip Hop português. É em Almada que as primeiras rimas e gargalhadas se soltam. Aborda-se o começo do hip hop em Portugal através do testemunho dos pioneiros. É recordada a compilação Rapública e a explosão cultural urbana que  o álbum despoletou. Explosão esta, diga-se, que atravessou a ponte e pôs a betinha que vos escreve a decorar letras de rap e a arriscar uns quantos moves claramente falhados. 

Figuras tristes à parte, este é o poder da música e o segredo do sucesso do hip hop. O poder de transcender fronteiras, de unir os mais improváveis aliados em nome da criação artística disruptiva urbana. 

É com referência a este poder que o documentário segue enumerando alguns  dos sucessos passados e presentes, aproveitando para traçar o ponto da situação. 

Ao longo dos anos, novos protagonistas foram surgindo. Portugal interessou-se pelo estilo urbano nas suas três vertentes: hip hop, breakdance e grafitti. O estilo acaba por ser vítima do seu próprio sucesso. Diversifica-se, perdendo, na opinião de alguns dos entrevistados, a sua essência poética e política. Nas entrelinhas sente-se o saudosismo de tempos em que tudo era menos sofisticado mas mais autêntico. Desabafos que acrescentam nostalgia saudável, evitando sempre o tom de queixume ou rejeição do presente. 

Em tom de celebração e homenagem partilham-se histórias de DJ’s, improvisa-se uma serenata. Filmam-se breakmoves desafiantes da lei da gravidade e decoram-se paredes contrastantes com o azul do mar. O Hip Hop português tem neste azul a marca da portugalidade nunca esquecida. Rejeita ser cópia de outras culturas, assumindo-se orgulhosamente português e complexo na sua essência. É na toada desta heterogeneidade que outras localidades são trazidas à tela. Caldas da Raínha, Porto, Leça da Palmeira e Faro eram clusters onde artistas encantados pelo novo faziam muita arte por muito pouco dinheiro e zero visibilidade. Sublinha-se o carácter urgente e rudimentar dos primeiros passos do hip hop numa altura em que cassetes eram gravadas em garagens e as festas eram avessas às multidões. 

Hip to da pop é uma ode à periferia, uma orgulhosa afirmação da cultura urbana. Travam-se battles, fazem-se  rimas, dançam break moves gastam-se incontáveis latas de tinta. É merecida homenagem aos agentes de mudança que abriram a porta para os famosíssimos artistas de hoje. É um recordar da poesia, das letras complexas, sentidas, cantadas por uma comunidade sub-representada num Portugal de fim de século ainda desconfiado em relação às manifestações artísticas urbanas. 

De Sam the Kid aos irmãos Meirelles, dos Mind da Gap a Chullage sem nunca esquecer o retumbante sucesso de Vhills, os novos artistas são produto da paixão abnegada de quem os antecedeu. Todas as histórias passadas e presentes se descobrem neste documentário realizado com mestria por António Freitas e Fábio Silva. 

Artigo anteriorO furacão Trump e o vortéx da democracia americana
Próximo artigoGuia de sobrevivência em Macau
Avatar
Teresa Morais tem 35 anos, é jurista, tradutora e activista. Depois de viver em São Paulo e em Londres, voltou, há dois anos, à Lisboa que a viu nascer. Gosta de biografias, boas revistas, boas séries, bons políticos e bons amigos. Ouve música de todos os estilos, a toda a hora, em qualquer lugar. Está no Capital Magazine por acreditar ser esta a hora de falar de causas e de fazer melhor política em Portugal.

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.