Assunção Cristas e os picuinhas fotográficos

0
266
Imagem de Isabel Santiago

Corre por estes dias por aí uma fotografia de Assunção Cristas, de calções curtos, a saltar para um lagar para pisar uvas. Apesar de nada se ver que não pudesse ser visto, Assunção Cristas está com uma perna de fora da cuba e outra por cima do muro, numa posição heterodoxa.

Não é a primeira vez que fotografias de Assunção Cristas provocam agitação. Houve o vestido curto com kiwis, com umas bonitas pernas à vista entre o vestido e as sandálias altas. Também as fotografias de Assunção em bikini na praia com a família.

Nada de mais. Nenhum problema existiu em nenhuma fotografia, claro, apenas nas pessoas picuinhas demasiado conservadoras que consideram que uma mulher só pode ser fotografada com decote junto ao pescoço e adornado de rendinhas. Mais saias, no máximo, por baixo do joelho.

Mas a fotografia de Cristas a saltar para dentro do lagar é diferente. Cristas não estava a posar, apesar de se saber acompanhada por jornalistas. A imagem foi retirada de um filme feito pela TVI. E quem assim decidiu fê-lo sabendo – e aproveitando-se disso – que iria haver sururu embaraçoso para Cristas por estar num momento em que, inevitavelmente, não estava de joelhos juntos e costas empertigadas. O jornalista procurou, portanto, não reportar, mas ridicularizar o político, com um método eticamente questionável.

Porém o jornalista que tal trabalho congeminou fez ainda pior. Porque aquela fotografia, se de um político homem, não levantaria uma sobrancelha a ninguém. Mas com uma protagonista feminina, com a conotação sexual tola e fácil à volta da posição do salto de Assunção, garantidamente geraria falatório. Pelo que o jornalista se aproveitou dos conhecidos estereótipos sexistas culturais e sociais que temos para promover o seu trabalho. E isto, além de ser sexista, é mesmo uma atuação profissional miserável.

Claro que os tradicionalistas hiper conservadores também aproveitaram para criticar politicamente a fotografia de Cristas. Um opositor interno do CDS, cujo nome ninguém recorda, mandou com sobranceria que a senhora tivesse ‘recato’. Também com mote da participação de Assunção num programa de humor (mulheres e humor misturados: o horror). Mais salazarento e machista não podia ser. O único ponto positivo é que nem disfarçou. Um homem orgulhoso a mandar uma mulher não se fazer notar. Que, já se sabe, ser divertido, descontraído, participar em atividades como pisar uvas estão todos reservados para os homens. As senhoras querem-se discretas, apagadas e deixando brilhar os colegas masculinos.

E é bem certo. O CDS, a par com uma ala bastante cosmopolita e desempoeirada (que tanto sucesso teve em Lisboa, e não foi só nas últimas autárquicas), tem quem muito gostasse de tornar o partido numa plataforma política populista, ultraconservadora e – tcharan – machista. Assunção Cristas é o oposto disso, pelo que tem de se atacada descabeladamente.

Dentro e fora do CDS, quem partilhou e comentou a foto tem uma agenda – além, obviamente, da salutar necessidade de fazer pouco de quem tem poder. A agenda é a do costume. Constranger a liberdade de movimentos das mulheres. Atacá-las por motivos que nunca se usariam para atacar homens. (Lembro que a mudança de calções numa praia fluvial por Marcelo Rebelo de Sousa foi benignamente divertido.) Dizer ao mulherio que a única posição decente em que se pode deixar fotografar é sentada, de joelhos juntos e com as pernas cruzadas pelo tornozelo (que cruzar nos joelhos é demasiada modernice).

E o grande perigo destes discursos públicos – e, lá está, das redes sociais replicando este género de imagens – é a cristalização das ideias de que às mulheres não se perdoam momentos não impecáveis, que as mulheres têm de estar recatadas, que a duplicidade de critérios na avaliaçào das prestações públicas de homens e mulheres é para manter. Isto dito, cada um sabe se quer reforçar estes anacronismos ou se não quer ter participação na difusão de reacionarismos.

Deixe um comentário. Os comentários anónimos ou que contenham insultos serão apagados.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.