McQueen, o filme sobre Alexander, o grande

0
231

McQueen, o filme, estreia nas salas de cinema portuguesas no dia 4 de outubro. Nós vimos o documentário sobre a vida do criador de moda Alexander McQueen e aqui mostramos as primeiras impressões.

Estreia no dia 4 de outubro o filme McQueen, um documentário realizado por Ian Bonhôte e Peter Ettedgui, sobre a vida e obra de Alexander McQueen um dos designers de moda mais disruptivos do século XXI. O filme é composto por filmagens amadoras que o próprio McQueen fez ao longo da sua fulgurante trajetória, entrevistas a familiares, amigos e colaboradores mais próximos, manequins, jornalistas feitas hoje e registos visuais do passado recente: desfiles, entrevistas à saída das semanas de moda, entrevistas de vida ao designer, à sua mãe.

A montagem do filme composto por registos tão diferentes é magistral e confere à película um ritmo crescente que, como num thriller, cria ansiedade no espectador. Depois do clímax que vai sendo indiciado ao longo da maior parte dos 111 minutos do filme, os realizadores jogam novamente com as emoções e a catarse da audiência acontece (chegando, em alguns casos, às lágrimas). A forma clássica de edição do filme faz dele um documentário inovador que condiz com inteiramente com o protagonista desta história: um génio com uma vida rápida, curta que marcará durante muitos anos a indústria da moda.

MCQ_11 c Ann Ray.jpgAlexander McQueen, Lee para os amigos, é retratado como um bom rapaz oriundo de uma família modesta – “não eramos aquilo a que se costumava chamar pobres”, diz a mãe de McQueen, “embora tivéssemos 6 filhos, o meu marido era taxista em Londres” – que rompe com o destino que parecia estar traçado desde a nascença. Descobre a alfaiataria num anúncio de jornal, torna-se aprendiz de um dos alfaiates mais tradicionais da capital inglesa e desde esse momento não para de pesquisar. Do casaco perfeito passa para linhas de peças de roupa estruturadas e com uma narrativa por detrás, que começa por causar escândalo quando apresenta as primeiras coleções. Mas, até se tornar aclamado pela imprensa especializada e pela indústria da moda, é um instante.

O lado mais íntimo de McQueen é também retratado no filme até porque como o criador afirma numa entrevista “tudo o que faço é pessoal“. Na sua obra estão as referências à violência sexual de que foi vítima, à violência sobre as mulheres a que assistiu, à transformação do feio em beleza e à solidão.

MCQ_2 c Ann Ray

Em McQueen, o criador de moda, é apresentado como genial, egocêntrico, generoso, ingrato… sim, incoerente, com uma enorme força de vontade e uma inquietude constante, uma impossibilidade de se adaptar ao mundo, uma maneira de ser anti-sistema e com um afeto gigantesco pela família. O filme é um retrato das subtilezas e contradições que farão de Alexander, para sempre, uma referência incontornável da moda.

Artigo anteriorMulheres de Taiwan. As intenções e os esforços versus a realidade.
Próximo artigoMaria Filomena Mónica e o mundo atual que já não compreende
Carla Macedo nasceu em 1979 e nem acredita que já passou tanto tempo. É jornalista desde 2001, feminista desde os 8 anos, quando teve uma epifania na missa. Esteve envolvida na criação do site Delas.pt, do qual foi editora executiva até ao verão de 2018. Conduziu entrevistas na rádio TSF a mulheres que se destacam em diferentes áreas, no programa Conversas Delas. Na LuxWoman, foi chefe de redação, na Máxima Interiores, também. Colaborou com a Evasões, a Volta ao Mundo (sim, sim, adora viajar!), a Notícias Magazine, a Sábado e muitas mais. Fez televisão para uma produtora, mas os programas nunca foram para ar – danos colaterais da crise! Licenciou-se em Línguas e Literaturas Modernas, começou no jornalismo numa revista de carros, a Frota, ainda antes de acabar o curso, fez o CENJOR e depois um curso de Jornalismo Multimédia. É casada. Tem dois filhos, um rapaz e uma rapariga. Igualdade em casa é coisa que não falta.

Deixe um comentário. Os comentários anónimos ou que contenham insultos serão apagados.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.