Yoga ou vinho?

1
1368
Imagem de Pedro Sadio

Pratico Yoga há anos. Dá-me força, tranquilidade e estabilidade. Ajuda-me a centrar-me. A mim, que sou um furacão, impulsiva e sempre determinada a levar tudo à frente.
Para quem acha que o Yoga é algo muito calminho, muito lento, tudo devagarinho, vou apresentar a minha querida professora, a Jini.
A Jini tem talento. Tem energia e é gira. É impossível não sentirmos empatia imediata. A sua frontalidade e honestidade conquistam toda a gente. Começou a praticar Yoga muito cedo e quando um dia decidiu ir viver para a Índia durante mais de um ano, ocupou o tempo a tirar o curso de instrutora de Yoga.

Depois disso continuou o seu percurso e a ensinar. Voltou a Lisboa depois de ter corrido mundo de bicicleta e de ter dado aulas durante algum tempo em Zurique. As saudades do país foram motivo suficiente para a trazer de volta.
A Jini tem a modalidade de Yoga perfeita: Wild Flow Yoga que é uma vertente do Yoga com características específicas: é rigoroso e precisa de disciplina. Este estilo é considerado por muitos uma versão ocidental de Ashtanga Yoga. O objetivo do método Ashtanga é a purificação do corpo e da mente através dos oito limbos do Ashtanga Yoga:
Yama (auto-disciplina) – Niyama (observância religiosa) – Asana (postura) – Pranayama (contenção da respiração) – Pratyahara (abstração dos sentidos) – Dharana (concentração) – Dhyana (meditação) – e Samadhi (estado de supra-consciência).
O nome “Power Flow Yoga” é usado para diferenciar o estilo intenso e vigoroso de Yoga que me é ensinado.
Também fazemos alongamentos e relaxamento, mas a aula é mais intensa.
Confesso que ultimamente tenho trocado as aulas pelo vinho, provas de vinho, de que gosto muito. A escolha nem sempre é pacífica, porque o meu corpo pede o exercício.
O Yoga fez-me aceitar melhor o meu corpo e não sinto absolutamente nenhuma necessidade de corresponder aos clichés da sociedade.
Para as mulheres, a prática regular de Yoga e de exercícios específicos melhoram a relação com os genitais, que beneficiam o aparelho reprodutivo, ajuda na saúde e beleza da pele entre outros benefícios. Há também muito mais mulheres a praticar possivelmente devido às normas sociais, que determinam que não é exercício para homens. E eles nem pensam nisso. Simplesmente não lhes passa pela cabeça experimentar. Viver num país machista não ajuda nada a alterar esse comportamento.
A Jini teve inclusive nas nossas aulas duas grávidas que eram muito assíduas (não iam a provas de vinho) e as crianças já nasceram lindas e saudáveis depois de as mamãs terem praticado quase até ao último dia. Tem agora outra aluna grávida e isso proporciona-lhe um enorme prazer.
Se tem interesse na filosofia de Yoga mas o seu foco é na parte física, este é o tipo de Yoga que deve praticar: Wild Flow Yoga. Além dos benefícios físicos, os insights de sabedoria durante as aulas atingem as áreas espiritual e mental integralmente.
A minha professora de Yoga torna-se próxima dos alunos e quando necessário até adequa as aulas ao estado de espírito ou físico do grupo. As aulas ao ar livre no Verão são uma alegria e respiramos outro ar perto de jardins e árvores.
Convido todas as pessoas que quiserem ir experimentar a contactar-me. A primeira aula é oferecida a todos. (glup).
Sejam bem vindos ao maravilhoso mundo do Yoga!

Artigo anteriorO cheque-mate de Theresa May
Próximo artigoDiogo Moura sobre o CDS em Lisboa
Maria Almeida nasceu e viveu idílicamente na província e quando chegou a Lisboa percebeu que seria difícil sair. Tem um filho de dezanove anos. Escreveu blogs que apagou e dedica-se a ler os outros. Gosta de vinho, música, ler e dormir. É liberal e Delegada de Informação Médica. Sonha com uma quinta no Douro.

1 COMENTÁRIO

Deixe um comentário. Os comentários anónimos ou que contenham insultos serão apagados.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.