Harry

1

 O maior legado que uma mãe pode deixar nesta terra é uma educação baseada nos afectos. 

 Podia ser propaganda presidencial, mas não é. 

É mesmo um artigo sobre a imortalidade dos valores.

O Princípe Harry casou no sábado passado, mas o seu percurso tem sido sempre especial para quem o segue. Quem o viu, pequenino, a seguir o caixão da mãe soube imediatamente que aquele dia o iria mudar para sempre. E como bem lembrou o motorista de Uber da semana passada (um dia escrevo um livro intitulado “as minhas conversas com motoristas de Uber), a dor apresenta-nos sempre uma encruzilhada entre o bem e o mal; entre o isolamento ou a compaixão; entre a sede de afectos ou a rejeição dos mesmos. 

Esta encruzilhada para uma criança inglesa às portas da adolescência é especialmente dura. Para uma criança rodeada pelo establishment monárquico inglês, poderia ter sido trágica. 

Não o foi, também, porque a morte de Diana serviu para acordar a família Real. O Princípe Carlos tem aqui crédito por ter feito o melhor que pôde para proteger os filhos, para ser companheiro. Às vezes é necessária uma tragédia para mudar comportamentos.

Muita gente diz que os Príncipes não tinham outra hipótese senão aguentar. É falso. Como a história mostra, a imprensa protege a família Real até deixar de proteger a família Real. Se Harry ou William tivessem seguido caminhos condenáveis, todos teríamos sabido. Tudo sempre se sabe, especialmente na família Real. E nunca nos esqueçamos de Eduardo VIII, de Jorge III e da restante panóplia de membros da família real que caíram na desgraça. 

Os pequenos príncipes rejeitaram outros caminhos porque sempre honraram a tal educação baseada nos afectos. Continuaram as suas vidas, tornaram-se ainda mais amigos, construindo uma irmandade fortíssima com recurso ao sarcasmo britânico, que não é mais do que uma forma atabalhoada de dizer que se gosta. 

Mas Harry, o extrovertido, era feito do material da mãe. Teve de viajar, de conhecer mais, de ajudar mais. E é esta característica que faz de Harry um homem encantador. Que também fez com que o mundo inteiro se apaixonasse por Diana. É a transformação da dor em compaixão que os faz fascinantes. Defeitos, também os hão-de ter – os de Diana, soubemo-los todos, martelados até à exaustão – mas os afectos que exibem transbordam e contagiam o mundo inteiro. Esta mãe e este filho tocam o mundo porque se deixam tocar por ele. E isto é nada mais do que revolucionário num mundo com tanta gente cheia de viagens, mas sem a capacidade de conexão. Com tantos kilómetros, mas tão poucas estórias. Com tantos conhecidos e tão pouca compaixão. Precisamos tanto de referências neste último quesito, venham de onde vierem. Se tiverem a coragem de impor o amor e a diversidade num círculo tão fechado, ainda melhor. 

Sem o saber, Diana sacrificou-se por Harry. Com o caminho desbravado pela mãe, o Príncipe preferido da Rainha pôde livrar-se das críticas e da pressão mediática, conseguindo ter uma vida relativamente normal. É nesta rotina de voluntariado e altruísmo que conhece o amor da sua vida. E com uma calma e graça que Diana não pôde ou não conseguiu ter, consegue o inimaginável. 

Primeiro, junta-se ao irmão e abre a porta à vulnerabilidade com um documentário sobre Diana que é uma declaração de amor inédita para os britânicos. De seguida, cria os jogos Invictus, onde celebra a vida para além da incapacidade, homenageando, finalmente, as Forças Armadas e os sacrífios dos militares nas últimas guerras. Promove ainda, com o irmão e a cunhada, a campanha Heads Together, que consciencializa o povo britânico para a saúde mental, quebrando mais um tabu, falando, mais uma vez, do luto que fizeram, da ajuda que tiveram, e das infinitas possibilidades de quem tem doenças mentais. Juntos, Harry, Kate e William deram milhões a associações relacionadas com o tema. Foram a programas de rádio. Fizeram corridas, usaram fitas pirosas e abraçaram os finalistas da maratona dedicada ao tema.

Finalmente, Harry consegue, no último Sábado, casar feliz. Aceitando não só a cor da pele do amor da sua vida, mas a cultura que lhe vem no sangue, os amigos que trouxe na bagagem, o pastor que não se calava e que ia pegando fogo à capela de Windsor com as palmadas no púlpito carregado de velas cambaleantes. O coro e o violoncelista, que, pessoalmente, me encheram as medidas. 

É pena que as pessoas continuem a subestimar esta família. Que achem que o impacto mediático orientado para os valores não tem importância. Que continuem a achar que a inspiração não é o motor do mundo. Que estes exemplos não operam mudanças. No fundo, estão a ser como os mais radicais monárquicos britânicos, avessos ao valor simbólico da chegada da diversidade.  E enquanto os pessimistas e os críticos continuam sem entender, o resto do mundo segue, inspirado e em festa, a querer, à sua escala, fazer mais e melhor pelo próximo. 

Longa vida à Rainha, que, gostando ou não dos novos tempos, os autoriza. Felicidades aos noivos. 

E que o exemplo de Diana dê ainda mais frutos, não só nas vidas deles, mas também nas nossas vidas. 

Artigo anteriorHamlet on heroin
Próximo artigoDomingas Carvalhosa: Há que proteger o valor e o mérito das mulheres
Avatar
Teresa Morais tem 35 anos, é jurista, tradutora e activista. Depois de viver em São Paulo e em Londres, voltou, há dois anos, à Lisboa que a viu nascer. Gosta de biografias, boas revistas, boas séries, bons políticos e bons amigos. Ouve música de todos os estilos, a toda a hora, em qualquer lugar. Está no Capital Magazine por acreditar ser esta a hora de falar de causas e de fazer melhor política em Portugal.

1 COMENTÁRIO

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.