Jorge Sampaio também está envergonhado?

0

‘Há outro político que também ainda não ouvi nem li. E Jorge Sampaio? O que tem a dizer sobre Sócrates e o Processo Marquês?

É que José Sócrates não era inevitável. Recordemos que Sócrates se tornou primeiro-ministro depois de um dos atos politicamente mais reles da breve história da democracia portuguesa. Em 2004 havia uma maioria absoluta de direita na Assembleia da República – e, à luz de 2018, as maiorias que se estabelecem no parlamento é tudo e só o que conta para formar governo. A maioria era estável. Mas devido a ‘trapalhadas’ que nunca cuidou de elencar ou descrever, Sampaio dissolveu a AR e convocou eleições.

Entra Sócrates.

Sampaio sabia que depois do primeiro assomo de austeridade deste milénio no nosso retângulo (Manuela Ferreira Leite aumentou ‘temporariamente’ o IVA para 19% – não se ria, caro leitor, que o caso é sério) e da saída de Durão Barroso, o PS ganharia eleições. Pelo que a dissolução da Assembleia da República foi uma entrega deliberada do governo a José Sócrates por Jorge Sampaio.’

A ler no Observador.

Artigo anteriorNão nos habituamos
Próximo artigoThe Myth of Meritocracy
Avatar
Mãe de dois rapazes e feminista (das duas características conclui o leitor inteligente que não quer exterminar os homens da face da Terra). Licenciou-se em Economia ao engano, é empresária, mas depois encarreirou para os Estudos Orientais, com pendor para a China. Foi blogger e é cronista do Observador. Considera Lisboa (onde nasceu e vive) a cidade mais bonita do mundo, mas alimenta devaneios com Londres e Hong Kong.

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.