Manuela Moura Guedes sobre os anos de Sócrates

0

A entrevista de Manuela Moura Guedes na SIC Notícias é um potente abanão em quem agora pretende que José Sócrates deve apenas ser julgado pelos casos de corrupção, ou porque mentiu sobre os seus rendimentos. A corrupção é um assunto lateral. O modo de governação de Sócrates – de intimidação e esmagamento de todas as forças que se opuseram – é que deve merecer reflexão. Porque, de facto, quem pactua com os abusos de poder de Sócrates não é moralmente suscetível de lhe ser confiada a governação de um país.

Pela minha parte passei os anos Sócrates na blogosfera a clamar contra todos os abusos. Tivemos até um assomo (muito mal concretizado) de uma manifestação em favor da liberdade de expressão. Mas éramos um nicho. E é preocupante, ainda hoje, que o país tenha assistido tão descansado ao que se passou nos anos socráticos. Os eleitores reelegeram-no em 2009 – ainda que já sem a maioria absoluta. Os políticos, fora teatrinhos inconsequentes, ficaram quedos. O sistema judicial foi a desvergonha que se sabe.

E os jornalistas? Não podemos passar por cima dos jornalistas. Houve os que resistiram ainda e sempre ao invasor – MMG foi uma entre vários – mas a maioria, há que lembrar, vivia embevecida pelo animal feroz. O parvenue Sócrates conquistava aqueles jornalistas, já de si inclinados para a esquerda, que adoravam a adulação do primeiro-ministro, que ia fumar cigarros com eles no avião das viagens oficiais e tudo. A modernidade de pechisbeque que Sócrates exibia era tomada como verdadeira sofisticação. O atleta que fazia jogging pelo mundo era fotografado e exibido. Elogiavam e vangloriavam o visionário, o homem destemido, o paladino das causas fraturantes. Os ataques aos colegas jornalistas eram relegados para mera gestão comunicacional, um certo estilo agressivo que, no meio de tudo, se perdoava – ou até se defendia.

Lamento, mas sem uma comunicação social maioritariamente conivente os anos socráticos não teriam sido possíveis. Pelo menos, não teriam sido tão fáceis. Isto deve preocupar-nos. Porque a complacência se continua a estender ao atual governo. E se António Costa não tem falatório à volta de corrupção própria, não é menos implacável na hora de manter o poder para si e para o PS.

Vejam a entrevista de Manuela Moura Guedes. Há muito para refletir.

 

Artigo anteriorBela, recatada e do lar
Próximo artigoCom Pulsão
Maria João Marques
Mãe de dois rapazes e feminista (das duas características conclui o leitor inteligente que não quer exterminar os homens da face da Terra). Licenciou-se em Economia ao engano, é empresária, mas depois encarreirou para os Estudos Orientais, com pendor para a China. Foi blogger e é cronista do Observador. Considera Lisboa (onde nasceu e vive) a cidade mais bonita do mundo, mas alimenta devaneios com Londres e Hong Kong.

Deixe um comentário. Acreditamos na responsabilização das opiniões. Os comentários anónimos ou de identificação confusa são apagados, bem como os que contenham insultos, desinformação, publicidade, contenham discurso de ódio, apelem à violência ou promovam ideologias de menorização de outrém.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.